quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A hora que não sei das horas

Foto Giorge De Santi

Olho para a taça de vinho e vejo o rubi da pedra preciosa.Vejo o que sinto nos lábios,o sabor da vida bebida a goles tintos.Começo a pegar fogo apertando no colo a madrugada,apurando o gosto em pausas...e,descanso miúdo de bebericar feito beija flor,eco de sabiá,curió,toda voz natural ,melodia pronta e viva adornando em sons a vida sincera,intensa que se adensa no tempo.Vibrante em nudez opaca,como são os corpos.Acesas como as almas que se expandem em cores curiosas que se ramificam no silêncio e se apoderam das formas do quarto.Tudo ,aqui ,agora é promessa de vida ,velas a serem acesas,rosas chinesas de seda em perfume natural .Mala aberta a espera da ousadia feminina,roupas que pré existem aos fatos da vida; tecidos onde se leem histórias recolhidas no caminho.
Que livro é esta mala aberta sobre a banqueta cor de laranja?
A solidão me interessa,o moço me comove,músicas conversam comigo e a paixão aumenta em minhas mãos
que escrevem sem disfarce .
E vou...
nem sei para aonde ,nem como,nem porque...urgente deslocamento,coração nas mãos.Talvez se eu não tivesse palavras seria mais fácil arrumar a mala.Sempre estou de partida no vão das frases inconclusas.No que falo por falar sou existente,existida,grávida de todos os tempos,revirada em sangue quente.Pequenas gotas de todos os dias, a vida que menstrua dolorida,nervosa,entumescida,escondida até de mim que a abrigo no umbigo.No líquido salgado dos poros abertos ao furor de criar,eterna ação,quase um castigo sem trégua que me alivia em seguinte momento.
Cortejo de palavras e o som de Pink Floyd nas raízes do existido,tudo é orgânico,tem cheiro,cor,forma e me impressiona no imenso silêncio que me envolve em música. Alucino nesta hora exata que não sei das horas,e, nem de mim,secreta que se vê no espelho na busca do instante das coisas esquecidas.
- Será que esta paixão um dia será obra?
-Será que serei a transformação da sua cabeça,o carinho na sua alma,a liberdade explícita que o libertará também ?
-Será?
Um rio,as árvores das margens,a calma e a sombra que me leva  na anarquia de Mick Jagger com quem contraceno aqui na cama em vasta e mítica iconoclastia.Vaga em mim líquido afrodisíaco,imbuído de desejos coesos e obscuros.A integridade do segredo que me habita,o lacre... minha força.
Fora da órbita comum amanhã o mesmo sol,agora as estrelas e ideias que se precipitam feito chuva,garoa fina,a alma molhada a brotar enormidades:-eu menina abraçada no meu pai,os bracinhos enroscados na nuca.No ombro ele abria um lenço de cambraia para que eu pudesse recostar sem manchar o paletó.Meus olhos agora são este quadrado branco que se estende na memória para enxugar lágrimas.Que saudade !
É o fim,a luz a ler a existência inteira.Meu bau de pinho de riga sob a mesa.Os achados,os perdidos,o perigo,os perigos...o vulto da coragem que cresce e assombra quem se vê quando me olha .
Sou o tempo do que vivi,a forma que envelheceu resistindo mas sem mágoas, o vitral do crepúsculo das serras de Minas Gerais ,vivas em relicário de cheiro de mato e rumor de cachoeira-esta é a matéria de que me fiz, a forma com que me reconheço.
Sou história ,música,caminho
dança ,risada gostosa
escuro de oco
poço...sempre um moço
a presença colorida do amor na minha vida
A impiedade cruel do amor...dor.sempre um nada a fazer que me poe amante do caminho.
Ouço Jim Morrison,a passagem de um morto vivíssimo em mim,presença que sublinha a ausência de Deus.
-Onde estás -pergunto àqueles que partiram?
-O húmus pegajoso da finitude e nós vivos à distância como se fossemos eternos,cheios de pompas e enredos .Nas noites buscando fantasmas atrás dos móveis,nas gavetas de documentos,nas caixas de fotos.Na coleção de fatos as intenções,o registro da saudade,o fluxo das coisas vividas,o constante,o impossível.
A ressonância do passado, o eco da criança que sente prazer em brincar de esconde esconde e sentir medo do escuro.-me vejo atrás da cadeira de balanço.
Me chamam...
E, eu quietinha ,quase morta,sem respirar a espera do flagra-me escondo para ser achada.
-é o que consigo me lembrar, a sensação perdura este frio esquisito na barriga,estas cores de papel de seda, a tinta do papel crepom .Nu o papel manteiga a espera do desenho com lápis preto Johan Faber .
A minha cor rubi ,vinho,vivo profundo...meus sonhos sem depois,medos.O roxo da paixão de Cristo,os santos cobertos,o pecado miúdo nas mãos traquinas e inocentes,guaraná champanhe,verdade que ninguém vê às tontas pelo ar.
O ardor que me leva feito as filhas de Maria segurando as fitas cor de rosa do andor de Santa Therezinha.
Morro,morro sim,todo dia morro em permanente trânsito de vida.Leve,cheia de vento no panorama da ausência  ,sou invisível eu ali me vejo lá...lá onde ninguém me vê pois estou aqui...uma mulher no mundo,longe em sentido que passa em poesia .Impressentida para quem fica de olhos baixos cravados no tempo do chão.

Em 18 de dezembro de 2013/madrugada
@ Cristina Siqueira

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Cristina Siqueira entrevistada por Flavia Troya









-Período Sabático,conta tudo,Cris :

Este período Sabático a que me propus acrescentou à minha vida uma riqueza em termos de tempo e espaço  me privilegiando com a conquista da liberdade,da saúde,da paz,do amor,do desapego.Abri espaço para criar e administrar minha auto-vida,minha independência agora na maturidade com todos os deveres cumpridos,os filhos com suas próprias vidas e ,eu plena de vitalidade e experiência para investir de fato no que eu gosto de fazer.A princípio tudo parecia uma grande aventura coloquei à venda minha casa,encaixotei todos os meus pertences e veja bem,meu patrimônio é feito de papéis,fotos,vídeos,livros,originais de livros,décadas de rascunho de jornal,bilhetes,recados,cartas de amor, projetos de literatura e de decoração,objetos e souvenirs de viagens, quadros, tapetes,enfim um museu à que se acrescenta tudo de uma casa  mais o figurino de mulher com seus cremes e bugigangas femininas.Fiel depositária da famíla,filha única que sou,tinha ainda que zelar pelos santos de minha mãe e pelos baus repletos de livros e documentos históricos. E por último entregar o Lovan meu amado cachorro para minha filha  Adriane cuidar .Fiz uma mala de inverno e verão e cai no mundo,fui para Trancoso minha pátria escolhida desde  há muito !- em Trancoso,hóspede de Vanessa,buscava distância do burburinho sem sentido  em que  se converteu o mundo.Realmente eu precisava dar um tempo mesmo porque não conseguia mais aceitar este sistema de vida caótico e ilusório como uma coisa boa para mim.Buscava pela minha originalidade,o contato com a minha essência,o tempo para escrever sem influência da civilização urbana.Liberta de um relacionamento de 20 anos,sem ter que prestar contas a ninguém o meu desafio era eu com minhas convicções  de  que a vida  se constrói com a firmeza de  onde se quer chegar com prazer, entusiasmo,otimismo,beleza e sem estresse. Nesta pausa foi possível desfrutar  de um tempo sem pressa,ler mais de trinta livros,assistir inúmeros filmes ,escrever mergulhada no desconhecido acordando em mim a simplicidade  dos nativos antigos de Trancoso,a sabedoria das pessoas das matas e areias.Foi possível esticar as conversas com as pessoas com quem gosto de conversar,emagreci 20 quilos,caminhei quilômetros de praia deserta,nadei rios,ouvi anos e anos de música de excelente qualidade,rezava por pura gratidão por poder estar investindo no meu projeto de viver bem ,escrever e ser dona do meu tempo para fazer o que eu bem entendesse. Enquanto as águas corriam ,no Brasil viveu-se mais um período eleitoral,mais corruptos foram flagrados julgados e condenados, guerras continuaram pelo mundo e doente mental mata uma leva de gente nos Estados Unidos,armas continuam sendo vendidas,o mundo esta menos verde, tudo é um nada superficial,as redes sociais vão ganhando cada vez mais adeptos e dominam as comunicações, índios se suicidam,a opinião pública passa a ter mais poder e parece que acorda na exigência de mais transparência em todos os ramos de atividade humana.E neste mundo conturbado Trancoso é meu oásis de paz. Ver o mundo com distanciamento tem sido muito importante para que entender a mulher na qual eu me tornei...hoje muito mais amorosa,entendendo a passagem do tempo como conquista da experiência e não perda da juventude.Elogio àqueles que estão vivendo ,independente da idade,com tesão de viver,sem lamento,sem discurso ôco,.Quero mais é estar pulsando sensualidade,desejos por descobertas e aventuras confortáveis.A riqueza hoje é saber o que se quer e ter o tempo para o desfrute,ter ponderação para negociar,ter evoluido nas virtudes e se protegido com a bondade. A felicidade não é instantânea é construída e para mim é inspirada na definiçào de minhas próprias regras,meu ritmo,meu "eu " autêntico,minha verdade.E este caminho é desafiante mas não é fácil . Contemplo a vida alheia a tudo que me cerca,cultivo esta necessária solitude ,só depois posso conversar com você.Isto é importante,só poderemos nos relacionar de fato se eu souber quem eu sou e você quem é você .E para isso é preciso PAUSA ! 


 -E a Coluna a Prisma? 
Prisma tem a ver com a maneira que eu vejo o mundo e as pessoas com a certeza de oferecer aos bons um espaço para brilhar.Eu não quero falar de guerra,eu quero falar de paz,eu não quero saber quem não faz mas eu quero dar relêvo ao que faz bem feito e com empenho.Eu gosto de ver gente brilhar! ...por isso Prisma,um jeito de oferecer um lugar ao sol para refletir cores autênticas,pessoas de verdade que contribuem no dia a dia da cidade.Este é o conceito da página construída semanalmente desde 1996 no Jornal O Progresso de Tatuí.Durante este período Sabático interrompi a composiçào desta página pois precisava enxergá-la com distância,precisava entender as novas mídias sociais principalmente o Facebook que tem sido um instrumento poderoso que me impulsiona para o mundo.Precisava sair do micro mundo para o macro mundo .Quero participar de algo que faça uma diferença na sociedade então preciso me dar este tempo para entender o que esta sociedade se tornou.Como este mundo de hoje será entregue as futuras gerações num País em que não se incentiva cultura e educação.Movida pelo entusiasmo e após ter lançado com  sucesso o primeiro volume do  Livro Prisma  estou chegando a conclusão do segundo volume  mas hoje tudo esta muito mais dificíl,o tempo passou a ter um custo muito alto e é impossível sobreviver só de paixão pelo que se faz.Durante estes anos passados houve um processo de ausência completa de incentivo cultural aqui na cidade de Tatuí no que se refere aos projetos que encaminhei.A minha sobrevivência na cidade ficou abaixo da linha do desemprego e este fator é completamente desestimulante .Carinho e respeito de leitores encontro diàriamente em cada esquina,isto em muito me gratifica  atesta a competência e o empenho com que me dedico a este trabalho de colaboradora  do jornal durante  quase duas décadas.Tenho uma carreira pavimentada que gostaria não fosse interrompida  aqui na cidade mas  preciso efetiva sustentação financeira,parcerias  para trazer para a cidade novos projetos e produzir novamente o Livro de Rua  e claro editar o próximo Prisma.Os caminhos são tortuosos mas nada que uma dose de empenho das forças atuantes na cidade não consiga contornar afinal Tatuí é Capital da Música,Cidade Ternura  e sede do Projeto Livro de Rua .

 -E Trancoso? É seu elo entre Tatuí e o mundo?

 Trancoso  é onde eu posso perder a cabeça para encontrar minhas razões. É meu  caminho verde e azul para a liberdade.Em Trancoso  vivo  a  natureza que me brinda com saúde, a vida  é simples mas o ambiente é sofisticado.Trancoso me proporciona o tempo para que eu me adapte aos novos tempos,me permite olhar na frente,viver o agora,me aceitar em totalidade. Minhas raízes em Trancoso me enlaçam em uma família adotiva de amigas que bebem da mesma fonte, lá sou recebida no Villas de Trancoso com tratamento V.I.P.,e se não for lá tenho a disposição a hospitalidade de amigos e amigas de uma vida .Tenho ambiente para trocar leituras,livros,conversas longas,silêncios imensos. Escrevo muito e falo com Deus . Floresço em espiritualidade. Vivo noites bem dormidas,banhos demorados,comida natural,sucos ,frutas,muito mar,lua e caminhadas.A arte acontece,minhas amigas ainda riem ,a gente ri de coisas bobas ,bobaginhas.Vinho ,champanhe , dry martini e a arte de vivenciar sentimentos de amor e amizade. Assim , é assim que o mundo chega até a mim .

- Literatura, onde começou a paixão?

 Desde menina a minha expressão sempre foi a fala ou a escrita.De berço pois meus pais eram ávidos leitores.Minha mãe lia todas as noites antes de dormir  e meu pai gostava de conversar e comentar os livros que lia.A este estímulo acrescente bons e entusiastas professores  que  antigamente nos conduziam Professora Leila   Sallum,Professora Almira Porciúnculla,Professor Borges,Professor Roedas. Sou viciada em leitura  de  livros,jornais, revistas...leio tudo.Adoro biografias,música,artes,fotografia,cinema,estilo,moda ,arquitetura,decoracão.Gosto de estudar e pesquisar tudo que esta acontecendo.Leio romances,ficção,policial e arquivo textos esotéricos de autores credíveis.Vou lendo e me fazendo de livros.Vou viajando e me tornando a viagem e escrevo,escrevo muito em qualquer suporte de papel,em qualquer brochurinha simples em qualquer computador disponível. Livros publicados? Sua obra que permanecerá para a Humanidade O que já publiquei : Papel...um opúsculo,um pequeno livro,precioso,uma jóinha onde falo de papéis... A carne da Noz ...versos apaixonados ,eróticos ,da fase em que começamos eu e Guilherme Doneux. nossa história de amor.Uma fase easy rider,de muita música,composições,poesia à flor da pele. Por trás dos muros...conta a saga do Livro de Rua em prosa lírica. Livro de Rua- série de muros e cartões postais com versos de minha autoria ,ilustrados por Jaime Pinheiro,fotografados por Reinaldo Rodrigues da Costa e produzido por Sérgio Siqueira de Proença. Prisma...coletânea de entrevistas narradas por personagens da cidade de Tatuí e seus visitantes em um diálogo aberto.Em Prisma ainda uma coleçào de poemas,reflexões e a consolidação do que somos pessoas tão distintas,seres especiais. Cd -Se houvesse amor a vida seria carícia (Lancei no Brasil e Europa ) E hoje vou  escrevendo e publicando  no Facebook - Cristina Siqueira com um bom público de leitores.Em blogs já desenvolvi muita prosa e verso,é só conferir ,dá uma obra e tanto : www.cristinasiqueira.blogspot.com www.euamotrancoso.blogspot.com www.tatuicidadeternura.blogspot.com * A palavra escrita e publicada é para o mundo mas ainda não publiquei os inéditos que pretendo .Preciso de tempo para editar meus muitos manuscritos.Nos últimos meses passei organizando este material .Na verdade aprendo a me editar,aprendo a tornar-me escritora,é sempre um vir a ser.Aprendo o próximo livro,ou seria uma instalação a céu aberto.Ou uma performance no teatro.Ou um clip,um filme....a próxima viagem...

- E sua liberdade de espírito? 

Sem liberdade de Ser quem é o Ser?-naturalmente a liberdade é que confere significado a minha vida.Por ser livre crio um mundo  de beleza  e encantamento com o que tenho de mais próximo às mãos.Por ser livre me sinto bem pertinho de Deus,O Criador.Por ser livre fica fácil entender  que fui feita à Sua Imagem e Semelhança Por ser livre vôo sem ter asas e vejo até sem olhar .

-O que anda fazendo? 

Vivendo Intensamente,é o que se tem para fazer.No mais tudo acontece.

- O que fashion para você?

 EU SOU *   …...um longo caminho para chegar a esta totalidade de luz EU SOU. Ser Fashion é Ter Tempo para não ter que nada.

- O que vem para 2013 ?

-O AGORA  pois o tempo estará cada vez mais célere então não é o que vem é o que É Um ano para se empreender com parceria honesta.Esperança consciente.Inteligência e rapidez para descartar crenças que não servem mais e operar no mundo com mais simplicidade,mais amor e compaixão.Mudar  do descartável para o perene,viver como se fosse o último segundo e realizar para render para mais de mil anos.Tenho um poema do livro Por trás dos muros que serve como uma luva para este momento: "Poesia é ação ,urgência,revolução na  consciência e contudo ir sem pressa com óculos de ver atrás." leia-se vida ao invés de poesia. 

- Nos dê uma frase para pensar

 Quero saber se você esta escolhendo seu próprio destino e esta feliz ? só isto.

 Cristina Siqueira Sorocaba 19 e 20 de dezembro de 2012.

terça-feira, 20 de março de 2012

Sabático



Houve um tempo em que as baleias nadavam no Saara.
Ervas estão sendo replantadas, andorinhas voam onde antes era um deserto ,um tipo de lírio abre suas pétalas cor de lavanda onde era pedra e pó.
A renovação esta no ar da terra e do espírito.
A pontualidade da lua que brotou cheia às 18:08’em noite de maré baixa com volteios de guaiamuns apressados ,vivendo sexo num fenômeno de nome correição.
Champanhe que me entontece de felicidade ,a vida é celebração de instantes, Alguns besouros miúdos embiroscados  em meus cabelos fazendo festa nos cachos. Aprecio o luar esparramando prata fascinante ,projetando-se para lá e para além.
Posso ser o que eu quiser ser. É assim que eu quero que a vida se manifeste ,Quero a perplexidade provocada pela própria vida. Este tempo raro e caro para saudar a lua e me enternecer.
De que me serviria agora estar na cidade em tempo de promessas por projetos que justifiquem a minha carreira literária.?-projetos que não saem do lugar são fonte de frustrações e promessas não cumpridas geram um sentimento de não valia.-  De que me serviria agora  estar casada em modelo antigo, ser fútil, e tributável? Afinal eu me justifico  vivendo livre, olhando o céu com humildade.
Não quero, não posso, não devo  fazer hoje o que fazia ontem .Quero fazer melhor. Quero estar desperta .Cansaço e falta de vitalidade passaram a  ser a tônica da vida
moderna ,todos nós ingerimos diariamente nossa dose de anestésico :os hábitos ,os excessos, as palavras repetidas ,os lamentos ,os lugares de sempre ,os mesmos amigos, os programas de tv  viciantes ,as doses maciças de informação ,a vida virtual ao máximo, as conversas vazias ,as cabeças ôcas .
Serenidade para a escolha consciente de uma vida que me faça feliz .Isto é poder!
-O que escolher então?
Sómente a paz e a distância transmitem a compreensão dos fatos.
Em quanto se pode acreditar ,quanto vale o meu ,o nosso dinheiro ,o patrimônio de uma vida?-Entendo de olhar a realidade urbana de longe em exercício crítico ,em ausência prolongada. Quero sair deste cotidiano repetitivo, da rotina frenética de correr atrás para alimentar o giro manipulador do dinheiro. O desafio maior é o desapego ,sair da zona de conforto, criar vida nova longe da família ,dos amigos, do meu cão Lovan .

E para trazer sentido concreto e criar um novo enredo embalei com cuidado as lembranças ,em caixas de papelão acondicionei os livros, o volume de história quase que me engole e me senti personagem dos livros de Boris Vian, A memória afetiva da cidade mora na minha casa e eu não sei o que fazer com ela mas isto é assunto para museu e casa de cultura.
Penso em viver um período sabático e para garantir um valor mensal de sobrevivência coloquei minhas casas para alugar ou vender. Carrego comigo somente o essencial, alguns livros e roupas para verão e inverno.
As ilusões já foram colhidas em minha vida, a maturidade se apresenta com vontades novas de contornos e solidez ,preciso do tempo para ler e escrever, acredito nesta nova idade rica em possibilidades de talhar meu novo rumo.
O importante é ficar confortável com a certeza e a incerteza ,estou pronta ,nada é fora de propósito, aberta ao universo das perspectivas que se apresentam  em outros contextos
 Com esta disposição  e mesmo sem saber para onde a vida vai me levar eu os convido a participarem desta viagem comigo .No momento estou definindo um foco, os objetivos, as metas pessoais, as buscas.-Vamos nessa?

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Tenho dito em vai e vem

Eu no Sítio Rosa dos Ventos

De verdade

É o rock n’roll que faz da leitura de cada ruga do rosto o contar de mil histórias.A partir da energia do fazer louco e sem destino o som começa a rolar.Rock é energia,o depois do blues,o reforço do lamento e da euforia.A intimidade do rito,celebrar,comungar,beber no Rio  este Brasil futuro acontecendo pela fé de Roberto Medina que há anos me tirou de casa para estar no primeiro Rock in Rio e poder dizer com orgulho :EU FUI.A cada nova edição perdura a idéia romântica da vida começando agora,do mundo sendo nosso outra vez.Do primeiro Rock in Rio fiquei com a cor de abobóra dos cabelos da Rita Lee e da cor de rosa dos cabelos de Nina Hagen.Fui de Belo Horizonte ao Rio ,eu  a Gi e mais um roqueiro extraviado da Finlândia de carona de ônibus,sem dinheiro e algumas latas de atum.As lembranças de gente do mundo inteiro chegando,a cidade do Rio era toda paz e amor.Não existia a cidade do Rock e nem o Palco Mundo,sem conforto,lama,uma doidera mas que compensou pelo som afinado e pela vibração de alegria.
Hoje sou roqueira que busca por paisagens vazias,pouca gente ,muito verde,ar,e silencio de respiro Contemplativa,virtual  ,me bastam as viagens pelos shows do You Tube e assistir pela TV os ares novos do rock.O som que me faz é para cima,um suspiro,sem respiro...ainda Pink Floyd para começar...e ir...
                 
Escrever

Tudo é instável.Resistente sou eu tentando ler com um barulho deste.Escrever nem digo.Tudo se estende com uma velocidade tão incrível que as idéias nem bem nascidas viram pó...e a escrita deserto.


Quero
Ser abençoada com sossego para assistir aos bons vídeos de Mia Couto,Galeano,Isabel Allende,todos na minha pasta de favoritos esperando nova reflexão.Com calma prometo me desdobrar e me multiplicar ao infinito desconhecido das idéias e palavras .Filmes de talento,sim porque talento é essencial e esta em falta.Tempo para ler,ler,ler e conversar ,conversar,conversar  por horas a fio quando o papo é bom. Tempo para aconselhar-me com a solidão.
Saúde como prenuncio de um futuro manifesto.Quero a chave da paz para fechar a porta às energias invasivas.

Radical

O mundo do futuro não tem raízes no atual.Estou convicta e quero me exercer na arte da despreocupação.Quero curtir todas as luas vazias para estar em paz.Aprendo que o definitivo é temporário e a diferença está em construir relacionamentos verdadeiros,de real confiança e colaboração mútua.
                     Rio da Barra quando encontra com o mar-Trancoso
Tecidos coloridos

É o Brasil com a primavera chegando.Gosto de branco e tecidos fininhos,molinhos para acariciar a pele.Ganhei há tempos um par de violetas de Dona Anésia Palumbo.Converso com elas e sou presenteada com flores novas.Gosto de flores vivas.Gosto da primavera de pessoas coloridas Sempre  assim.
                    Luis Duarte e Cristina Siqueira,coloridos
-Quem tem feito a diferença?

Meus netos Théo e Ravi,a espera da Lorena que se anuncia para janeiro de 2012.Minha família porque é através dos filhos que afinal tudo dará certo.A diferença é ouvir o que o pequeno Théo diz ,coisas que ele traz do mundo visível e invisível.E outro dia êle me disse quase isso:”foi meu pensamento que trouxe você para perto de mim”.
A diferença é o jeito com que o amor cuida de mim.amando e sendo amada,sem pensar,sem excluir,sem cobrar.Amada como convém a seres livres e inteiros em relações nada banais.

Preguiça

Preguiça com os chatos de plantão.Argh!!!!!!!!!!!!!!!!!!!quando digo não é porque ouvi meu coração.Muita preguiça.Trabalhar  com a mente e as emoções cansa muito e não ganhar pela produção de arte e literatura cansa ainda mais.Não parece mas é uma canseira que se acumula e dói.Preguiça de repetir a mesma história “trucentas “mil vezes intentando patrocínio para idéias sensíveis que realmente fariam a diferença neste mundo rude.Impotente ,sentada no sofá do home ,assistindo a corrosão nacional.Preguiça!
Não faz mal,desconto os desprazeres da vida em palavras.Excesso de trabalho ,desgaste físico que compenso em emoções e criatividade.Funciona assim.
Sublimo a dor com prosa poética que distribuo com pontual generosidade.Uma variedade de andamentos,a vida se faz deste jeito.Tudo é Brasil,Brasil,Brasil.
                           Palestra na escola João Florêncio-Tatuí
Na bagagem
Um pouco de tudo.Levo fé e rímel encantado.

Enfado
De arrogância,encaro como sintoma de ignorância.

Oxigênio
Preciso.Para arejar os olhos,um piscar de cílios capturando estrelas.

Quero me alongar...
Vida corrida,sem tempo.Quando a Fabi era pequena ela escreveu assim “mamãe é corrida com a vida,parece uma corrida de ar”.Sinto saudades dos filhos pequenos.Acho que é porque estamos comemorando a semana da criança...e,para mim realmente os filhos não crescem.
Quando o Sérgio tinha 3 anos,ele derrubou um vaso e se saiu com esta “o vaso caiu porque a flor estava tonta”Guardo estas frases,este universo de filhos pequenos e toda vez que a lembrança acode dou uma risadinha só minha,guardada num espaço do bem e do bom.
O tempo corre!
Ave Maria!
Ontem ouvi Paula Fernandes cantando Ave Maria à natureza,numa interpretação comovente,linda mesmo,combinando com as seis horas da tarde.
Tenho estado envolvida com emails,face ,blogs,pessoas virtuais,músicas,vídeos,novelas,filmes,TV e como fico feliz quando encontro amigos de verdade,de carne e osso para conversar.Daí entrei numa de escrever esta página a mão como em outros tempos.Deu nisso ,me alonguei,me enchi de força e vou escrevendo esta página Prisma com a bic preta baratinha,sem nem me cansar.
Mas nem podia ser diferente como vou falar de Raymundo Farias se não for com a caneta na mão?-Outro dia,em um bom acaso nos encontramos no Café Canção.Sempre cavalheiro ,bem humorado e gentil.Falou de seus livros que estão para vir à luz,falamos de Brasil  ,histórias de seu Ceará,da figa que se faz para acontecer as Olímpiadas e não passarmos pelo fiasco de não ter os estádios prontos.Da vida e seus misteriosos desígnios,tiramos palavras de nossos ventres subjetivos,nossas indagações de alma.Quanto mistério perdido em divagações sem respostas .
Pela amizade justifico o longe da conversa.Pela literatura também.E emendando um assunto no outro quero contar que fui tomar o café da tarde no Museu Paulo Setúbal onde Sueli Aduan,querida,ministra Oficina de Literatura para poucos e bons.Fred Nabhan,Ari Roberto,Patrícia,Elizabeth participam.A didática da mestra e a convicção da turma são eloqüentes no dizer pouco e bem em estudos  e produção de mini contos,micro contos,contos nanicos.

AMIZADE
Existe a voragem do  tempo,do interesse e do dinheiro.Existe um tom de conversa que se chama investimento,net work,todos nós temos grades de compromissos,agendas extenuantes,alimenta-se um certo estilo de não se estar com alguém,mesmo presente.
Neste contexto que até parece normal  preservo amigos da vida inteira,realizo esta página como uma contribuição social e outro dia fui regiamente recompensada com o telefonema de agradecimento de Nadir Prado  que se sentiu lembrada,amada,com espaço para falar de si e da vida.Na verdade com ela aprendi  mais uma vez que importa sim dar espaço para que o digno se mostre ,se coloque e ocupe o lugar de tantos que mistificam valor.
Amizade é música para se apreciar com tempo.É arte.
E falando de amizade o carinho vai para a amiga Vera Fragnani que há dias entregou Dona Marina ,mãe amada, a Deus.
É por amizade que sonho em programar uma viagem só para rever amigos ,àqueles que acreditam em tudo que eu faço acontecer.Amados e amadas que me inspiram a ir,que me guardam embaixo de asas macias e me mostram a cada encontro um toque blues soul,o retrato que tiramos em um dia,o caminho que percorremos fluindo em amor e em tantas outras coisas.
Em casa de amores baixo a guarda e não me sinto vulnerável,tenho intimidade para escrever e ler e ficar quietinha num canto,descansar ao sol ,tomar champanhe e dormir com os anjos.Em casa de amigos me sinto hiper milionária.

 Momentos felizes com Eliana Arruda,Laila Assef,Vanessa Siqueira e na festa de casamento com Guilherme,Adriane e Fabiane


Outro momento
Nas redes todos falam com imagens e letrinhas.Ninguém ouve.A moça permanece sozinha.

-Qual a minha verdadeira geografia?
Eu que fico de lá para lá ,mais longe ainda e aporto aqui,perto de mim.Longe do lugar comum.








quarta-feira, 8 de junho de 2011

...Sobre o amor e amar


...sobre amor e amar

Caminho pelas ruas acordadas da cidade. No IPOD, anos 80 e seleções que se alongam em minh’ alma à dentro revirando em ondas o sangue vivo,vibrando em vocação apaixonada.Elvis e Marlene Dietrich ,Luis Melodia e Ana Carolina,Caetano Veloso canta Nature Boy e Marisa Monte e Cesária Évora se entendem lindamente.E Besame Mucho em tons que arrepiam. Nina Simone, sua voz quente, e nos passos de ver a vida de trás para frente ouço apaixonadamente Love me Tender e fecho os olhos para me entregar a Stardust na voz de Rod Stuart.Seria bom estar a menos de um milímetro de um beijo prestes a ser um acontecido acontecimento.

Quase danço, transfiguro a realidade em prazer. Quero viver sem ameaça alguma, atravessar a rua de olhos fechados confiante de que o vermelho do sinal me protege. Estou feliz com este delicioso e absurdo som, aciono o time da vida neste elegante aparelhinho da Apple, meu broche sexy vibrando poesia em meus ouvidos, flutuo sem que ninguém perceba.Faço amor na frente de todos ,descaradamente ,e ninguém se dá conta deste amor que transborda e empapa em suor a malha de lã,o corte na virilha da calça jeans.Ninguém se dá conta que amar é um estado absoluto de feliz presença ,uma gota de leveza neste alvoroço ,neste caos profundo e desumano do existir.Minha natureza abre-se a vida assim,é deste jeito que eu sou...

Gosto de reticências é meu tempo mudo quando lhe ofereço o espaço para você preencher. É meu estilo de manter um diálogo com você sem nome que me lê e se toca com o sussurro falante que disparo em flechas para sua alma. Uso travessão mesmo quando falo sozinha. Sou eu minha hóstia, ponho reparo no mundo a todo tempo, o tempo todo. E ligada ao som que me extasia, quase ausente deste corriqueiro de luzes do semáforo me movo entre o céu e o caminho dos cães, dos pregões baratos, das pessoas que não se vêem indiferentes aos desejos naturais.

Viver é liturgia.

Minhas botas de salto, altas com fivelas prateadas, a canela fina envolvida em meias de nylon, longamente as coxas.

Ingênuo sabor fatal, o beijo quando dá certo.

Recolho sentimentos para que não me abandone o coração. Recolho o sangue quente de viúva, estou madura quero me repartir com doçura e algo selvagem me arrebata em instinto e toca a planta carnívora que me encanta.Ouço a impossível voz de amores desdobrados em cantos,óperas,harmonia distinta dos que se aventuraram em cozer a vida com paixão-a trama do destino dos que arriscam tudo,pouco ou quase nada.

O amor que me leva a realizar minúcias, a esculpir um homem com as mãos nuas. Nada é simples, amor é rococó, paredes que desaparecem, estradas que se abrem, camadas de tecidos macios para arfar, brincar e se entreter com o tempo sem cálculo à resposta do corpo a carícias .Os beijos é com doçura que se dão...os abraços a tensão mágica do desejo...rio de alegria...choro em de repente...meu amor é meu amor e está vivo anunciando o esplendor do coração que pulsa e faz o desejo se erguer enervado...esse tanto de amor que não envelhece.

Amar , um movimento de amplitude,não restringe,liberta,oferece espaço para ser feliz.Amar é a arte de se completar nas diferenças.É dom, talento que abre as comportas da generosidade da existência,organiza as gavetas da alma com leveza e desprendimento.É um sentimento preciosíssimo ,um cofre de certas coisas que permanecem secretas e de outras que viram fotografias.Nesta vida dispersiva e superficial amar é porto que acolhe bons e raros navegadores de águas profundas .


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Sobre esquecer...


Vou nascendo novamente, na esperança breve de ver-me reconstruida de outra maneira.Longamente se faz o tempo de esquecer.O tempo para germinar no ôco o calor do amor que atiça o querer.
A vida se faz de palavras repetidas,repetidas formas de se expressar.
Agora vivo silêncio,sono calmo,dou-me suspiros e um sincero desejo de amor novo.
Respeito a minha natureza,encaro instintos abafados,gozo de minha leve presença e sem
pressa parto em busca do meu destino.
Como cheguei a este estado nem eu sei ,é um estado de acontecência de ir-se esquecendo É um dar as costas e abrir-se em expectativa para o desfrute de novos aconteceres...é ir-se...ir-se...
A urgência de criar a cada tempo minha parte da verdade.Meu naco escuro de solidão ,para mim absurdamente solar,claríssimo.Apago o caso escrito,sou audaz me reconhecendo mínima,aprendiz .Fico melhor assim vendo as lembranças dispersas pelo vento na imensidão e depois apagadas pela chuva.E quem partiu tem menos poder longe da minha vista e tenho tempo,todo o tempo,para pensar onde irá ficar melhor o vaso chinês que ganhei num dia hipotético,azul em significados,letra de música onde irei colocar uma metalic orquídea,exquise e branca de paz.Esse ar solto,este vôo livre das lembranças machucadas.
Alargo o coração dando boas vindas ao próximo instante.E só tem um jeito é quando ignoro o que não pode ser feito é quando me digo: desisti de enfrentar o espanto , desisti de me enredar em promessas.
Tenho todo o tempo do mundo para estar comigo sem a exaustão de outra pressa .Zero não me assusta.
Amor como quero viver é aquele que traz um estado de alívio,ainda penso em pai,reino, conforto,
dia seguinte .Penso em filho e no tanto de amor que me carrega pelo fim de tarde de cor grisalha e imprecisa.Quero vencer o tempo com todos os vagares que atiçam meus sentidos.Nunca até onde sei mulher alguma ousou adolescer de fato quando chega o cansaço que o tempo traz e a envolve em aconchego, em mantas de lã fininha .
Acordei nesta manhã com as forças do sol a me abençoar viva e constante.Deixo-me ir como a água tocada pelo vento.E reconheço pelo volume de transparencia que me tornei esta mulher plena de sumo para ser saboreada com doçura.E quando choro reconheço o amor e quando rio de histórias divertidas percebo que liberta o vinho tem outro sabor .Vago enfim com os olhos abertos.
É com amor demais que desfruto a vida com os meus filhos, a graça dos pequenos,o cão fiel,poucos amigos chegados em pequenos espaços ocasionais repletos de alegria.Sossego de consciência.Esquecer é um exercício de não ver passar o tempo ocupada em me adiantar
para viver quem sabe uma nova carta de copas,quem sabe um rei,um imperador...quem sabe?
Um homem que me convença a lhe acompanhar senão os passos, as palavras e seus dotes de proteção e carinho.
E quando me olho no espelho gosto do que vejo...meus olhos brilham,tem a força de acreditar.
Cultivo encantos e reconheço que a maturidade me assenta bem.Existe uma luz ocupando o espaço do medo,da carência,da insegurança .Tornei-me em outra ,mais serena ,paciente,sábia.
Recordo de fatos na clareza que a distância revela,sei mais do que digo,aparo a passagem dos personagens em aventura ,vivo bem com o eterno e o efêmero e sòzinha agora me sinto fisgada por uma pressão provocadora nas partes da alegria.
A vida é preciosa em cintilações de intensidade que acenam e despertam meu instinto de sobrevivência.É um ir-se...

sábado, 26 de março de 2011

Tempo de mudanças


Após dar-me um tempo para reflexão, desligada dos dias urgentes, entendi de levar a vida mais devagar e com melhores resultados. E é o que tenho feito. Superligada ao movimento energético, buscando clareza para me lançar à vida de forma simples e sábia.

Expectadora da flutuação do desconhecido mundo que nos acorda em aflição e dor com tempestades, furacões, terremotos, tsunamis e o ar letal em radioatividade.

-Que lição é relevante para a humanidade nestas tragédias que estão acontecendo agora? Com certeza, sairemos mais fortes após entendermos com quanto desprezo tratamos as dádivas generosas da natureza. Muitos ainda ganharão fortunas com esta tragédia e todas as tragédias futuras, outros serão tocados pelo espírito da compaixão, da solidariedade, da volta à simplicidade e respeito.

Tempo de mudança, de reinventar a maneira de viver. Tempo de prestar atenção e fazer o caminho contrário do profetizado bezerro de ouro.

Cansei de estar cansada, cansei da repetição ao infinito de meganúmeros, quantidades absurdas, desproporcionais.

A maxifilosofia do excesso, da nulidade do pensar, do embuste dos ganhos máximos, as pessoas acabam consumindo-se a si mesmas e as pessoas que as cercam. Devemos aprender e ensinar a que se aprecie o que temos, valorizando nossas conquistas, cativando pela boa educação, criando laços de bondade. Ë tempo de amor e presença junto à família. É tempo de abençoar, ser grato e ensinar às crianças a rezar. É tempo de fé.

O que pode ser mais importante nesta vida? Questiono o por que as pessoas agem contra seus próprios interesses. Questões de orgulho arruínam suas vidas. A inveja e a autoilusão levam-nas por caminhos que conduzem a nada. Por que é tão importante manter a autoimagem? Quanto você vale no mercado das aparências?

Por que o ciúmes e a cobiça do destino mais feliz do outro?

No tempo de meu pai, não era preciso elogiar o honesto, simplesmente a honestidade era uma norma de conduta que não precisava de realce.

Bem, tenho a minha própria vida para levar, tenho sonhos pessoais, projetos de sensibilização humana e social em busca de parceiros e é preciso seguir em frente.

Quero fazer acontecer a poética da vida moldando o próprio mundo em que as pessoas vivem... levá-las à reflexão sobre novas possibilidades muito menos angustiantes, preencher com palavras de sentido o tambor oco que lhes ressoa no peito.

Quero receber do tempo as dádivas das lembranças das coisas boas que fiz de fato. Desperta eu também sonho.

Agora no outono, entregue ao prazer da minha casa em Tatuí, sob a guarda de meu fiel Lovan, retorno a este “blog” de um jeito novo, com mais folga para o estilo fluir. O que significa recuperar meu jeito instintivo de ser desde que a chama do tesão de fazer se mantenha acesa. Quero ter bons motivos para escrever, entrevistar pessoas que realmente valham o meu tempo e o tempo da sua leitura.

Gosto do céu azul do outono em Tatuí, o tempo mais fresco que convida a tomar chá, café e a taça religiosa de vinho tinto. Gosto da facilidade com que me desloco pelo centro, usufruindo de ter tudo que preciso à mão. Gosto de meus amigos, da cordialidade dos vizinhos, de conversar com os leitores pelas ruas sem distanciamento. Gosto de pertencer a esta cidade, embora deva confessar que muitas vezes sinto-me desapontada com a falta de interesse e apoio efetivo para concretizar meus projetos.

E quero receber o carinho que mereço de pessoas que eu curto e admiro pela integridade ética, pelo trabalho que desenvolvem, pela coragem com que se lançam à vida. Pequenas atenções me animam a ir em frente, a despeito dos profundos presságios que coexistem no espaço de uma realidade violenta e desumana.