quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A hora que não sei das horas

Foto Giorge De Santi

Olho para a taça de vinho e vejo o rubi da pedra preciosa.Vejo o que sinto nos lábios,o sabor da vida bebida a goles tintos.Começo a pegar fogo apertando no colo a madrugada,apurando o gosto em pausas...e,descanso miúdo de bebericar feito beija flor,eco de sabiá,curió,toda voz natural ,melodia pronta e viva adornando em sons a vida sincera,intensa que se adensa no tempo.Vibrante em nudez opaca,como são os corpos.Acesas como as almas que se expandem em cores curiosas que se ramificam no silêncio e se apoderam das formas do quarto.Tudo ,aqui ,agora é promessa de vida ,velas a serem acesas,rosas chinesas de seda em perfume natural .Mala aberta a espera da ousadia feminina,roupas que pré existem aos fatos da vida; tecidos onde se leem histórias recolhidas no caminho.
Que livro é esta mala aberta sobre a banqueta cor de laranja?
A solidão me interessa,o moço me comove,músicas conversam comigo e a paixão aumenta em minhas mãos
que escrevem sem disfarce .
E vou...
nem sei para aonde ,nem como,nem porque...urgente deslocamento,coração nas mãos.Talvez se eu não tivesse palavras seria mais fácil arrumar a mala.Sempre estou de partida no vão das frases inconclusas.No que falo por falar sou existente,existida,grávida de todos os tempos,revirada em sangue quente.Pequenas gotas de todos os dias, a vida que menstrua dolorida,nervosa,entumescida,escondida até de mim que a abrigo no umbigo.No líquido salgado dos poros abertos ao furor de criar,eterna ação,quase um castigo sem trégua que me alivia em seguinte momento.
Cortejo de palavras e o som de Pink Floyd nas raízes do existido,tudo é orgânico,tem cheiro,cor,forma e me impressiona no imenso silêncio que me envolve em música. Alucino nesta hora exata que não sei das horas,e, nem de mim,secreta que se vê no espelho na busca do instante das coisas esquecidas.
- Será que esta paixão um dia será obra?
-Será que serei a transformação da sua cabeça,o carinho na sua alma,a liberdade explícita que o libertará também ?
-Será?
Um rio,as árvores das margens,a calma e a sombra que me leva  na anarquia de Mick Jagger com quem contraceno aqui na cama em vasta e mítica iconoclastia.Vaga em mim líquido afrodisíaco,imbuído de desejos coesos e obscuros.A integridade do segredo que me habita,o lacre... minha força.
Fora da órbita comum amanhã o mesmo sol,agora as estrelas e ideias que se precipitam feito chuva,garoa fina,a alma molhada a brotar enormidades:-eu menina abraçada no meu pai,os bracinhos enroscados na nuca.No ombro ele abria um lenço de cambraia para que eu pudesse recostar sem manchar o paletó.Meus olhos agora são este quadrado branco que se estende na memória para enxugar lágrimas.Que saudade !
É o fim,a luz a ler a existência inteira.Meu bau de pinho de riga sob a mesa.Os achados,os perdidos,o perigo,os perigos...o vulto da coragem que cresce e assombra quem se vê quando me olha .
Sou o tempo do que vivi,a forma que envelheceu resistindo mas sem mágoas, o vitral do crepúsculo das serras de Minas Gerais ,vivas em relicário de cheiro de mato e rumor de cachoeira-esta é a matéria de que me fiz, a forma com que me reconheço.
Sou história ,música,caminho
dança ,risada gostosa
escuro de oco
poço...sempre um moço
a presença colorida do amor na minha vida
A impiedade cruel do amor...dor.sempre um nada a fazer que me poe amante do caminho.
Ouço Jim Morrison,a passagem de um morto vivíssimo em mim,presença que sublinha a ausência de Deus.
-Onde estás -pergunto àqueles que partiram?
-O húmus pegajoso da finitude e nós vivos à distância como se fossemos eternos,cheios de pompas e enredos .Nas noites buscando fantasmas atrás dos móveis,nas gavetas de documentos,nas caixas de fotos.Na coleção de fatos as intenções,o registro da saudade,o fluxo das coisas vividas,o constante,o impossível.
A ressonância do passado, o eco da criança que sente prazer em brincar de esconde esconde e sentir medo do escuro.-me vejo atrás da cadeira de balanço.
Me chamam...
E, eu quietinha ,quase morta,sem respirar a espera do flagra-me escondo para ser achada.
-é o que consigo me lembrar, a sensação perdura este frio esquisito na barriga,estas cores de papel de seda, a tinta do papel crepom .Nu o papel manteiga a espera do desenho com lápis preto Johan Faber .
A minha cor rubi ,vinho,vivo profundo...meus sonhos sem depois,medos.O roxo da paixão de Cristo,os santos cobertos,o pecado miúdo nas mãos traquinas e inocentes,guaraná champanhe,verdade que ninguém vê às tontas pelo ar.
O ardor que me leva feito as filhas de Maria segurando as fitas cor de rosa do andor de Santa Therezinha.
Morro,morro sim,todo dia morro em permanente trânsito de vida.Leve,cheia de vento no panorama da ausência  ,sou invisível eu ali me vejo lá...lá onde ninguém me vê pois estou aqui...uma mulher no mundo,longe em sentido que passa em poesia .Impressentida para quem fica de olhos baixos cravados no tempo do chão.

Em 18 de dezembro de 2013/madrugada
@ Cristina Siqueira

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Cristina Siqueira entrevistada por Flavia Troya









-Período Sabático,conta tudo,Cris :

Este período Sabático a que me propus acrescentou à minha vida uma riqueza em termos de tempo e espaço  me privilegiando com a conquista da liberdade,da saúde,da paz,do amor,do desapego.Abri espaço para criar e administrar minha auto-vida,minha independência agora na maturidade com todos os deveres cumpridos,os filhos com suas próprias vidas e ,eu plena de vitalidade e experiência para investir de fato no que eu gosto de fazer.A princípio tudo parecia uma grande aventura coloquei à venda minha casa,encaixotei todos os meus pertences e veja bem,meu patrimônio é feito de papéis,fotos,vídeos,livros,originais de livros,décadas de rascunho de jornal,bilhetes,recados,cartas de amor, projetos de literatura e de decoração,objetos e souvenirs de viagens, quadros, tapetes,enfim um museu à que se acrescenta tudo de uma casa  mais o figurino de mulher com seus cremes e bugigangas femininas.Fiel depositária da famíla,filha única que sou,tinha ainda que zelar pelos santos de minha mãe e pelos baus repletos de livros e documentos históricos. E por último entregar o Lovan meu amado cachorro para minha filha  Adriane cuidar .Fiz uma mala de inverno e verão e cai no mundo,fui para Trancoso minha pátria escolhida desde  há muito !- em Trancoso,hóspede de Vanessa,buscava distância do burburinho sem sentido  em que  se converteu o mundo.Realmente eu precisava dar um tempo mesmo porque não conseguia mais aceitar este sistema de vida caótico e ilusório como uma coisa boa para mim.Buscava pela minha originalidade,o contato com a minha essência,o tempo para escrever sem influência da civilização urbana.Liberta de um relacionamento de 20 anos,sem ter que prestar contas a ninguém o meu desafio era eu com minhas convicções  de  que a vida  se constrói com a firmeza de  onde se quer chegar com prazer, entusiasmo,otimismo,beleza e sem estresse. Nesta pausa foi possível desfrutar  de um tempo sem pressa,ler mais de trinta livros,assistir inúmeros filmes ,escrever mergulhada no desconhecido acordando em mim a simplicidade  dos nativos antigos de Trancoso,a sabedoria das pessoas das matas e areias.Foi possível esticar as conversas com as pessoas com quem gosto de conversar,emagreci 20 quilos,caminhei quilômetros de praia deserta,nadei rios,ouvi anos e anos de música de excelente qualidade,rezava por pura gratidão por poder estar investindo no meu projeto de viver bem ,escrever e ser dona do meu tempo para fazer o que eu bem entendesse. Enquanto as águas corriam ,no Brasil viveu-se mais um período eleitoral,mais corruptos foram flagrados julgados e condenados, guerras continuaram pelo mundo e doente mental mata uma leva de gente nos Estados Unidos,armas continuam sendo vendidas,o mundo esta menos verde, tudo é um nada superficial,as redes sociais vão ganhando cada vez mais adeptos e dominam as comunicações, índios se suicidam,a opinião pública passa a ter mais poder e parece que acorda na exigência de mais transparência em todos os ramos de atividade humana.E neste mundo conturbado Trancoso é meu oásis de paz. Ver o mundo com distanciamento tem sido muito importante para que entender a mulher na qual eu me tornei...hoje muito mais amorosa,entendendo a passagem do tempo como conquista da experiência e não perda da juventude.Elogio àqueles que estão vivendo ,independente da idade,com tesão de viver,sem lamento,sem discurso ôco,.Quero mais é estar pulsando sensualidade,desejos por descobertas e aventuras confortáveis.A riqueza hoje é saber o que se quer e ter o tempo para o desfrute,ter ponderação para negociar,ter evoluido nas virtudes e se protegido com a bondade. A felicidade não é instantânea é construída e para mim é inspirada na definiçào de minhas próprias regras,meu ritmo,meu "eu " autêntico,minha verdade.E este caminho é desafiante mas não é fácil . Contemplo a vida alheia a tudo que me cerca,cultivo esta necessária solitude ,só depois posso conversar com você.Isto é importante,só poderemos nos relacionar de fato se eu souber quem eu sou e você quem é você .E para isso é preciso PAUSA ! 


 -E a Coluna a Prisma? 
Prisma tem a ver com a maneira que eu vejo o mundo e as pessoas com a certeza de oferecer aos bons um espaço para brilhar.Eu não quero falar de guerra,eu quero falar de paz,eu não quero saber quem não faz mas eu quero dar relêvo ao que faz bem feito e com empenho.Eu gosto de ver gente brilhar! ...por isso Prisma,um jeito de oferecer um lugar ao sol para refletir cores autênticas,pessoas de verdade que contribuem no dia a dia da cidade.Este é o conceito da página construída semanalmente desde 1996 no Jornal O Progresso de Tatuí.Durante este período Sabático interrompi a composiçào desta página pois precisava enxergá-la com distância,precisava entender as novas mídias sociais principalmente o Facebook que tem sido um instrumento poderoso que me impulsiona para o mundo.Precisava sair do micro mundo para o macro mundo .Quero participar de algo que faça uma diferença na sociedade então preciso me dar este tempo para entender o que esta sociedade se tornou.Como este mundo de hoje será entregue as futuras gerações num País em que não se incentiva cultura e educação.Movida pelo entusiasmo e após ter lançado com  sucesso o primeiro volume do  Livro Prisma  estou chegando a conclusão do segundo volume  mas hoje tudo esta muito mais dificíl,o tempo passou a ter um custo muito alto e é impossível sobreviver só de paixão pelo que se faz.Durante estes anos passados houve um processo de ausência completa de incentivo cultural aqui na cidade de Tatuí no que se refere aos projetos que encaminhei.A minha sobrevivência na cidade ficou abaixo da linha do desemprego e este fator é completamente desestimulante .Carinho e respeito de leitores encontro diàriamente em cada esquina,isto em muito me gratifica  atesta a competência e o empenho com que me dedico a este trabalho de colaboradora  do jornal durante  quase duas décadas.Tenho uma carreira pavimentada que gostaria não fosse interrompida  aqui na cidade mas  preciso efetiva sustentação financeira,parcerias  para trazer para a cidade novos projetos e produzir novamente o Livro de Rua  e claro editar o próximo Prisma.Os caminhos são tortuosos mas nada que uma dose de empenho das forças atuantes na cidade não consiga contornar afinal Tatuí é Capital da Música,Cidade Ternura  e sede do Projeto Livro de Rua .

 -E Trancoso? É seu elo entre Tatuí e o mundo?

 Trancoso  é onde eu posso perder a cabeça para encontrar minhas razões. É meu  caminho verde e azul para a liberdade.Em Trancoso  vivo  a  natureza que me brinda com saúde, a vida  é simples mas o ambiente é sofisticado.Trancoso me proporciona o tempo para que eu me adapte aos novos tempos,me permite olhar na frente,viver o agora,me aceitar em totalidade. Minhas raízes em Trancoso me enlaçam em uma família adotiva de amigas que bebem da mesma fonte, lá sou recebida no Villas de Trancoso com tratamento V.I.P.,e se não for lá tenho a disposição a hospitalidade de amigos e amigas de uma vida .Tenho ambiente para trocar leituras,livros,conversas longas,silêncios imensos. Escrevo muito e falo com Deus . Floresço em espiritualidade. Vivo noites bem dormidas,banhos demorados,comida natural,sucos ,frutas,muito mar,lua e caminhadas.A arte acontece,minhas amigas ainda riem ,a gente ri de coisas bobas ,bobaginhas.Vinho ,champanhe , dry martini e a arte de vivenciar sentimentos de amor e amizade. Assim , é assim que o mundo chega até a mim .

- Literatura, onde começou a paixão?

 Desde menina a minha expressão sempre foi a fala ou a escrita.De berço pois meus pais eram ávidos leitores.Minha mãe lia todas as noites antes de dormir  e meu pai gostava de conversar e comentar os livros que lia.A este estímulo acrescente bons e entusiastas professores  que  antigamente nos conduziam Professora Leila   Sallum,Professora Almira Porciúnculla,Professor Borges,Professor Roedas. Sou viciada em leitura  de  livros,jornais, revistas...leio tudo.Adoro biografias,música,artes,fotografia,cinema,estilo,moda ,arquitetura,decoracão.Gosto de estudar e pesquisar tudo que esta acontecendo.Leio romances,ficção,policial e arquivo textos esotéricos de autores credíveis.Vou lendo e me fazendo de livros.Vou viajando e me tornando a viagem e escrevo,escrevo muito em qualquer suporte de papel,em qualquer brochurinha simples em qualquer computador disponível. Livros publicados? Sua obra que permanecerá para a Humanidade O que já publiquei : Papel...um opúsculo,um pequeno livro,precioso,uma jóinha onde falo de papéis... A carne da Noz ...versos apaixonados ,eróticos ,da fase em que começamos eu e Guilherme Doneux. nossa história de amor.Uma fase easy rider,de muita música,composições,poesia à flor da pele. Por trás dos muros...conta a saga do Livro de Rua em prosa lírica. Livro de Rua- série de muros e cartões postais com versos de minha autoria ,ilustrados por Jaime Pinheiro,fotografados por Reinaldo Rodrigues da Costa e produzido por Sérgio Siqueira de Proença. Prisma...coletânea de entrevistas narradas por personagens da cidade de Tatuí e seus visitantes em um diálogo aberto.Em Prisma ainda uma coleçào de poemas,reflexões e a consolidação do que somos pessoas tão distintas,seres especiais. Cd -Se houvesse amor a vida seria carícia (Lancei no Brasil e Europa ) E hoje vou  escrevendo e publicando  no Facebook - Cristina Siqueira com um bom público de leitores.Em blogs já desenvolvi muita prosa e verso,é só conferir ,dá uma obra e tanto : www.cristinasiqueira.blogspot.com www.euamotrancoso.blogspot.com www.tatuicidadeternura.blogspot.com * A palavra escrita e publicada é para o mundo mas ainda não publiquei os inéditos que pretendo .Preciso de tempo para editar meus muitos manuscritos.Nos últimos meses passei organizando este material .Na verdade aprendo a me editar,aprendo a tornar-me escritora,é sempre um vir a ser.Aprendo o próximo livro,ou seria uma instalação a céu aberto.Ou uma performance no teatro.Ou um clip,um filme....a próxima viagem...

- E sua liberdade de espírito? 

Sem liberdade de Ser quem é o Ser?-naturalmente a liberdade é que confere significado a minha vida.Por ser livre crio um mundo  de beleza  e encantamento com o que tenho de mais próximo às mãos.Por ser livre me sinto bem pertinho de Deus,O Criador.Por ser livre fica fácil entender  que fui feita à Sua Imagem e Semelhança Por ser livre vôo sem ter asas e vejo até sem olhar .

-O que anda fazendo? 

Vivendo Intensamente,é o que se tem para fazer.No mais tudo acontece.

- O que fashion para você?

 EU SOU *   …...um longo caminho para chegar a esta totalidade de luz EU SOU. Ser Fashion é Ter Tempo para não ter que nada.

- O que vem para 2013 ?

-O AGORA  pois o tempo estará cada vez mais célere então não é o que vem é o que É Um ano para se empreender com parceria honesta.Esperança consciente.Inteligência e rapidez para descartar crenças que não servem mais e operar no mundo com mais simplicidade,mais amor e compaixão.Mudar  do descartável para o perene,viver como se fosse o último segundo e realizar para render para mais de mil anos.Tenho um poema do livro Por trás dos muros que serve como uma luva para este momento: "Poesia é ação ,urgência,revolução na  consciência e contudo ir sem pressa com óculos de ver atrás." leia-se vida ao invés de poesia. 

- Nos dê uma frase para pensar

 Quero saber se você esta escolhendo seu próprio destino e esta feliz ? só isto.

 Cristina Siqueira Sorocaba 19 e 20 de dezembro de 2012.