quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Brasil meu chão

Estou quente no íntimo,vagando entre frear a pressa e deixar-me ir me refrescar.Tornar-me àgua de esperança.
À margem, a vida palpita lá fora na Rua da Glória mas aqui está bom.Neste meu território vou me refazendo,vou me desfazendo,quente.Em banho- maria vou me cozinhando em sonhos ,projetos,inventos de ida e volta.
Aqui onde ninguém tem acesso me guardo inteira.Minhas vozes.As paisagens lunares que flutuam no meu escuro mesmo sendo este dia solar.Quanta luz banha este tempo enquanto tento tornar-me leve,usar as pausas,ser mais breve em meus intentos,mais pés e chãos mudando de mundo onde as aparências contarão a menos e as vivências sobreviverão engravidando livros
nascidouros de poemas,flores e novidades que arrebatam a vida e impelem a deixar-me ir na correnteza de um rio escolhido no mapa por ser calmo,limpo,transparente.
Minha alma a me conduzir um passo à frente e é incrível ai é que eu encontro a fragante infância
pai,mãe,meus avós.As garrafas de vinho vazias com as velas derretidas.O cheiro de manteiga a granel na água.O bolo assando no forno.Os cheiros todos.A cebola dourada sobre os bifes.O azeite estrangeiro regando a sopa de feijão no prato fundo.O alho frito temperando a escarola.Todos os cheiros da cozinha.O café coado na hora que meu pai servia.O louro,o toicinho frito,o pão de torresmo.O molho de macarrão feito com tomates maduros que minha avó cozinhava em fogo brando em horas de conversa com as panelas.O bolinho frito polvilhado com canela e açucar agrado de minha mãe nos dias de chuva.
Pescadas,saladas,verduras,
bistecas,batatas fritas
arroz e feijão
ovo frito
abobrinha,xuxu,moranga
costelinha de porco pururuca
couve cortada fininha
e todas as farinhas de milho,de mandioca
as pimentas de arder os olhos.
_E o cheiro das bananas macias com coco e caramelo?
_as cozidas de São Tomé?
_ e as banans da terra, fritas?
Sou tão Brasil nesta semente que a terra guarda quente dentro de mim.
É o meu rosto que envelhece abençoado.Em cada ruga o aceno a uma história que se abre em
pessoas e paisagens.Lugares que me guardaram e outros onde me ocultei buscando a sombra para realizar reparos.
Estou assim mais vagarosa pelo menos hoje,nesta tarde morna vivo a minha idade verdadeira
entendendo minha vida,os laços,a minha gente e suas vozes por cima das casas,dos prédios,dos apartamentos.Das casas sem teto,das casas de chão.Mas não é ai que meu povo sofre,nosso inverno é húmido e enregela até quase matar,não temos calefação,mas não mata
E o meu povo segue a luz de um Deus brasileiro que é só coração.
E o meu povo segue e o que lhe falta mesmo é a dignidade de ter o dinheiro justo o preço de sua alma esticadas pelos dias.
Bandeira em cores da nossa terra verde,amarela,branca e anil onde se adivinham cantigas e ritmos que só nós sabemos sapientes que somos de nosso trabalho,de nosso fervor a este altar de Deus.
E todos nós os brasileiros queremos nos salvar desta corrupção tão descarada onde a cara de hoje já será a de outro amanhã.
Meu País.Meu País é rico.
Sou brasileira desta terra afortunada.
O meu Brasil já caminhei por ele longos trechos.Já estiquei lugares em moradia.Já fui São Paulo,Minas Gerais,Goias,Bahia.
O meu povo é feliz contudo é triste porque lhe roubam nas noites a alegria dos dias.
É estou aqui parada,só com vontade de sossego,pensando no meu bloco de frases e palavras tão lusas como um dia foram tão brasileiras como são agora para além do quarto onde estou em glória,quanto percalço,quanta desordem,quanto regresso.
Brasil.
Brasil é gesto.É o que me colhe e me enche de tamanho de raízes em terras e traço de destino.São
minhas serras,meus mares doces e quentes
meus rios e poentes
os divinos horizontes
brotados em sol do meu ventre
Brasil
minha gravidez de raça
meu parto de memórias
minha estância de história
meu estado de graça
E aqui estou além do oceano tentando entender de povos e culturas,estendendo o olhar,teimando a atenção por tudo que acontece no caminho.
Cansada fico por estar semeando em outras terras a semente viva que trago no meu peito e que na minha terra sumiria terra abaixo pois vivemos num tempo em que o saber espera e a ordem do dia é não mexer palavras e deixá-las a morrer frias.
O tempo me conduz pelas idades.A vida me tornou em versos,amores e cidades.Sou assim,cheia de vida desde criança quando brincava de índio no jardimda praça.
Sempre quis saber de tudo e ousei malabarismos,manuscritos,travessias e encantos.Falante,escrevente,nômade,itinerante.Proficua na boca cheia de letras,fantasias na cabeça,magia nas palavras.Confiro as terras palmilhando estranhez,engraçadez.A areia dessas praias,as águas frias que no meu corpo tocam.A verdade,a mão que guia,as rotas que me levam.
Aprendi a andar no escuro,a ser breve nos enganos e estar atenta nas fronteiras.
E hoje vôo estando leve neste quarto batendo asas em festa de escrever.Aqui o meu atual acaso,o mirante de onde avisto a todos e a tudo o rio Tejo,o Douro,o Sena,o Mondego, o Amazonas, o São Francisco,o Rio da Prata,e os miúdos rios Trancoso e Tatuí,águas minhas tão profundas
Minha presença hoje distante da minha terra na necessidade de exílio voluntário,memórias desbotadas,lembranças vivas e algo que pesa no viver da idade
E o que avança é o futuro,o desejo de viver,a família,o que virá,a esperança,meus amigos e uma imensa saudade
Lisboa,rua da Glória,10

6 comentários:

Anônimo disse...

Oi Cris! Lindo blog!! Escrita maravilhosa e as suas fotos dão um toque maravilhoso!
Muito Gostoso!

Márcia, Lisboa disse...

Querida Cris as tuas palavras como sempre enchem-me a alma e fazem-me estar desperta para a Vida. Cristina Siqueira ler-te é uma forma de meditação... Beijinho com saudades. Continua muito feliz!!

Luís Fernando - Bebidas Vieira e Rossi disse...

Excelente o seu blog Cristina, estamos precisando de doses de cultura em nossas vidas. Abraço!

Novo Olhar disse...

Uma boa passagem por este blog e pelas suas palavras

Um beijo
Dolores

Janaína Pietroluongo disse...

Olá Cristina,

Gostei muito do seu blog e das fotos. Linda aquela "Brasil, meu chão". Parabéns e obrigada pela visita.

Um abraço da

Jana

celina disse...

Obrigada por tus comentarios. Muy bonitos tus blogs.
Actualmente tengo un poco relegada la pintura porque acabo de tener un bebé, pero espero prontamente ponerme a pintar.
Soy fanática de tu país, adoro sus playas, su música y su gente.
Te mando un beso,
Celina