sexta-feira, 12 de junho de 2009

Querida Querubim-O caminho





Não existe um caminho.Ir,ir sempre.Impossível voltar pelo mesmo caminho.Que se cumpra chegar onde devo.Paisagens são paragens do olhar,efervescências como a vitamina C na água transparente.Passam.Paixão é esta fricção da alma com o mundo que me cerca.Acredito em mim.Ir é ter fé,mesmo que indefesa como uma criança.A viagem me torna adaptável às circunstâncias,maleável e receptiva.É vida.Tenra,com a frescura do ser,os olhos brilhantes pelo prazer das novidades,pelas surpresas.Atenta e flexível para contornar os riscos e desafios.Viajar é vencer a vida nos próprios passos.
-Por onde vou se me distraio em brincar pelo caminho?A paisagem se altera a cada minuto.Luz e sombra,o passar do vento,a um tempo a brisa,os pássaros que riscam o céu.Tudo é trânsito,tudo muda,a paisagem aparece em um sol abrasador e se oculta em uma noite tenebrosa.Caminho transformista.Mergulho nas profundezas psicológicas.Nem sempre o relato das viagens é o contemplar da paisagem.Passo pelas pessoas,as muitas pessoas que encontro por aí , das quais me faço delas e a elas dou um pouco de mim.Passo enquanto elas permanecem em seus próprios mundos que conheci na tangência de turista.Sou toda os outros,vigília aberta para não me perder de mim.Na ausência das datas e dos beijos que me servem sou saudade,amor,oásis no deserto.
-O que existe no fundo dos mares e do oceano?
Passo por cidades esquecidas por Deus,lugares sem nome,pessoas em cujo rosto leio histórias,animais cativos em pastos e quintais.Rumor de cachoeira,auto estrada,avenidas em horário do rush.Rumor no quarto ao lado do hotel duas estrelas onde um homem ofega no ritmo do prazer de uma mulher.Rumor de idiomas diversos nas Tvs de bares,cafés,albergues,hotéis de luxo.
Escrevo para me entreter,escrevo por que duvido de mim.Através da escrita me reconheço.É como se ao me escrever eu criasse o espelho das minhas perplexidades.Escrever é o meu caminho.O fio que me conduz é a tinta da caneta.Visível em azul escuro ou preto como um rio que brilha em noite de lua cheia.Escrever é o meu valor.Criar é o exercício da verdadeira arte altruísta.Pensar para aprender o sentido da vida -o provisório sentido da vida,uma marca que caminha e vai mudando de lugar,se estica.O sentido da vida é ser longe para se encontrar,um elástico flexível que alonga-se para buscar a cor do texto nos horizontes da estrada.
A poeira que o vento levanta até onde o olhar alcança.O rumor do vento em fúria de tempestade.Flores e folhas se esparramam cíclicas,tudo sai de seus lugares.
Os peixes na peneira,a lama do fundo dos lagos,os restos dos homens livres.A sardinha assada na brasa à moda portuguesa é lembrança.Seria mais fácil se eu não pensasse.O apetite após longa caminhada,passos de ver vitrinas.Olhos de encanto .Comer é pausa,expressão da querência de saborear.
Passa o tempo e nem percebo.-Será que assim não envelheço?
Ninguém pergunta se estou triste ou feliz.Aos que viajam as perguntas são sobre lugares:de onde viemos e para onde vamos.
O altruísmo da arte,a música que chega de todos os lugares penetra na minha alma e segue comigo companheira de viagem.E me concilia a outros a outras,agita meu corpo que dança mesmo que ninguém perceba.Tudo tem um sentido.E me olho com o excesso de bagagem.E me olho com as palavras que vou deixando pelo caminho.Viagem é perda,desapego,leveza, passatempo.Em companhia do vazio o compasso da realidade inconclusa,o despertar da confiança na afeição.Amar na soleira melancólica do olhar sem corpo rente para tocar,abandonando amanhãs na maviosidade aberta do verbo amar.
Assim vou achando caminhos.
O eco do grito entre as montanhas.
O túnel claustrofóbico,o jeito infantil de cobrir a cabeça para ficar segura e não ser descoberta.O frio da passagem pelo túnel escuro.Água pinga em enchovia.Túnel húmido,abafado,condutor de medos.A travessia .Águas estagnadas.Percursos sombrios.
Tenho sorte minha alma anseia por luz.
Assim vou deixando caminhos para trás.Sou só eu no dia seguinte.No momento seguinte.
Aproveito a sensação de não ter pressa nenhuma.Os momentos em que não preciso dizer nada.As noites em que recordo toda a vida.A bondade que encontro na infância,o gosto por um elogio sincero,o beijo de minha mãe antes de dormir,as leituras com meu pai.
Tenho sorte eles me fizeram acreditar.Acreditar que posso.
E posso.
Faz parte da minha natureza saborear a vida com esperança e o que não sei invento.E posso.
Viajar tem gosto de para sempre.
Agora chove,chove torrencialmente,a água lava os caminhos.
E tem coisa que só Deus sabe.


28 comentários:

Estela disse...

"Escrever é o meu caminho.O fio que me conduz é a tinta da caneta.Visível em azul escuro ou preto como um rio que brilha em noite de lua cheia.Escrever é o meu valor."

Escreva sempre. Escrever é sua arte. Como chuva... "chove torrencialmente, a água lava os caminhos" (que levam aos corações).
Bjs.

Flavio Ferrari disse...

Fome de viver ... e não é uma delícia ?

tossan disse...

Belíssimo texto, narrativa de quem escreve a muito tempo e bem! Tomara eu saber fazer isso. Gostei muito slide, adoro p&b e a modelo é belíssima! Beijo

PS: Adoro Tatuí, meus tios Heriberto e Maria Luiza moram nessa cidade - Portal das Estrelas.

Batom e poesias disse...

Que bom que escreve!
Que bom que voltou!

" Através da escrita me reconheço.É como se ao me escrever eu criasse o espelho das minhas perplexidades."

É mesmo assim e assim tudo faz sentido...
Feliz em ler-te.

bjs
Rossana

PAULO MIRANDA (A Folha) disse...

Eu posso dizer que em todo ponto do caminho sempre se encontra uma novidade

E sigamos...

Obrigado pela visita !!!

Beijusssssssssssss

VANUZA PANTALEÃO disse...

Querida amiga,
"...a água lava os caminhos..."

Deus aplaina os nossos caminhos e nos faz encontrar Pessoas como você.

Lindo seu comentário, um precioso final de semana!!!Bjsss

José Ramón disse...

Cristina suas histórias são muito interessantes seu blog excelente Saudações

lili laranjo disse...

Cristina
É a magia do seu jingar...
Ela sabe que tem muito encantamento.
tentei dar-lhe um pouco de poesia e juntar à realidade...
Um beijo e esper partilharmos muitas emoções...

um beijo

O Profeta disse...

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada

Calmaria!
A bonança reivindicou o Sol no celeste
Uniram-se os pedaços de rasgada vela
Tua alma retomou o sonho adiante


Boa semana


Mágico beijo

salvadorpliego disse...

Caminante, no hay camino, se hace camino al andar…
Suenan muy apasionadas estas letras. Te felicito.

Wanderley Elian Lima disse...

OLá menina., obrigado pela visita ao meu blog e pelos comentários.
Um grande abraço

Cultura Malcriada - disse...

Olá, Cris!!!!

Só hoje que tive uma folga pra aparecer por aqui e ler suas palavras tão cheias de vida. Bom... não vou cair no lugar comum de te elogiar, mas que é uma tentação, isso é!!!
Bjão!

O Profeta disse...

Não há longe, teu mundo a ilha
Tens andar gingão mesmo à maneira
O verde é manto que te afaga os pés
O mar é o teu azul por cabeceira

Passos ao encontro
Alma cheia de cor e ilusão
Braços abertos à aventura
O mundo na palma da mão

Boa semana


Mágico beijo

Gilbamar disse...

Escrever é uma bela arte que se desenrola no coração do autor. Com fôlego, garra, inteligência e criatividade. Como no seu blog.

Poético abraço.

B disse...

"Friccionando a alma no mundo".
Isto é muito real, o fazemos o tempo todo, mesmo se estagnados -o tempo todo, este labor sacro labor de friccionar a alma no mundo.
PARABÉNS PELAS PALAVRAS.

il parlatore disse...

Auguro anche a te un buon fine settimana... quando posso ti seguo anch'io... Se ti va puoi seguire l'altro mio blog,ti lascio il link http://snavigando.wordpress.com Ciao e a presto!!

Flavio Ferrari disse...

Tks pela menção ao Arguta lá na coluna Prisma.
Costumava visitar Tatuí com frequencia em uma época gostosa da minha vida.
Boas lembranças.
Bjs

lili laranjo disse...

Cris
Tenho selinho para si...
beijos


VOA PENSAMENTO


Corro o mundo
O meu pensamento voa...
Voa rapidamente....
E foge-me entre os dedos...

Eu tento agarrar
Abro as mãos...
Mas não consigo...
E deixo-te ir...

Como é bom fugir
Como é bom voar...
E tu pensamento...
Lá vais mundo fora...

Mas como tudo na vida
Vais e voltas...
E eu aqui te espero...
E quando vieres...
Com as tuas mãos...
Vou agarrar o sonho...
Que vem dentro de ti!...



Lili Laranjo

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Cris, belo texto...belas imagend go Slide....Espectacular....
Beijos

Adolfo Payés disse...

Un placer leerte.. por aquí te sigo y enlazo tu blog al mio para poder leerte con mas frecuencia..

saludos fraternos con cariño
un abrazo muy grande

besos

Léo disse...

Obrigado pelo último comentário no meu blog. Adorei ler tais palavras.

Continuo acompanhando a moça querubim... Eu já estou nas postagens de fevereiro rsrs... Espero que esteja acompanhando minhas mensagens a respeito dos capítulos anteriores hein.

Ah...
Como prometido no e-mail, Permaneço mudo.

Direto do Rio.
Beijos.

Efigênia Coutinho disse...

Olá cristina, venho conhecer seus espaço e agradecer sua simpatica visita. Meus cumprimentos, você faz bem feito seu recanto cultural,
com admiração,
Efigênia Coutinho
Escritora

leo disse...

belíssimo texto!
Obrigado pelo convite para visitar teu espaço. Realmente, retornarei aqui mais vezes. Há aqui infindas razões para voltar.
Abraço!

lili laranjo disse...

Passei e deixo um beijo


CHEGUEI...

Cheguei aqui e parei...
Cheguei aqui e sorri...
Sorri com muita força...
Pois sei que aqui sou eu...

Aqui paro e escuto...
E sei que escuto o que eu gosto
E sinto o carinho que me cerca
E sei que é um querer de verdade...

Porque aqui...eu estou...eu fico...eu sou!...
E quando a amizade é de verdade...
Eu cresço e fico muito maior...

É por isso...
Que eu sou pequena...
Mas muitas vezes...
Me sinto "grande"-

Lili Laranjo"Reticências Apenas"

Dalton França disse...

Cristina, o que torna o caminho mais excitante é justamente a adrenalina do inusitado.
Belíssima percepção!
Um grande beijo!

Vieira Calado disse...

Passei para ler (ou reler)

Deixo uma beijoca

Léo Metallica disse...

"Ninguém pergunta se estou triste ou feliz"

A Querida Querubim sente que está numa trilha sem volta. Esse caminho que ela percorre deve ser seguido intensivamente sozinha. Ainda que os momentos de desespero de não poder contar suas aventuras e desventuras.

Creio eu que ela nunca se permitiria uma companhia, ainda que esta seja amigável.

Há dois estremos que sinto na Querubim neste estágio. Tristeza e felicidades.

Tristeza por não ter AQUELA alma ao lado.
Felicidade por saber que é isso o que ela sempre quis.

Direto do Rio.
Beijos.

Anônimo disse...

Oi Cris! Saudades! Parabéns vovó de novo! bjs Osmar