quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O caminho





Existe sim um caminho e outro caminho e infinitos caminhos.
Ir,ir sempre.Impossível voltar pelo mesmo caminho.Que se cumpra chegar onde devo.
Paisagens são paragens do olhar.Efervecências como a vitamina C na água transparente.Passam.
Paixão é esta fricção da alma com o mundo que me cerca.Ir é ter fé mesmo que indefesa como uma criança.A viagem me torna adaptável as circunstâncias,maleável e receptiva.É vida.Tenra com a frescura do novo,os olhos brilhantes pelas surpresas.Atenta e flexível para contornar os riscos e desafios.Viajar é vencer a vida nos próprios passos.
-Por onde vou se me distraio em brincar pelo caminho?
Luz e sombra,o passar do vento,a um tempo a brisa,os pássaros que riscam o céu.Tudo é trânsito,tudo muda .A cena aparece em um sol abrasador e se oculta em uma noite tenebrosa.Caminho transformista.
Mergulho nas profundezas psicológicas,me obrigo a expressões em idiomas que desconheço.
O silêncio é companhia confortável onde se espraia a imaginação.
-O que existe no fundo dos rios e dos oceanos?
Passo por cidades esquecidas por Deus,lugares sem nome,pessoas em cujo rosto leio histórias,animais cativos em pastos e quintais.Rumor de cachoeira,auto estradas,avenidas em horário de rush.Rumor do quarto ao lado no hotel duas estrelas onde um homem ofega no ritmo do prazer de uma mulher.Rumor de idiomas diversos nas tvs de bares e cafés.O rumor do vento em fúria de tempestade.Flores e folhas se esparramam cíclicas,tudo se revolve e sai de seus lugares.
Os peixes na peneira,a lama do fundo dos lagos,os restos dos homens livres.A sardinha assada na brasa à moda portuguesa.
seria mais fácil se eu não pensasse.O apetite pela sardinha após longa caminhada,passos de ver vitrinas.Olhos de encanto.Comer é pausa.
Passa o tempo e nem percebo.-Será que assim não envelheço?
Ninguém pergunta se estou triste ou feliz.Aos que viajam as perguntas são sobre lugares;de onde viemos e para onde vamos.
A generosidade da arte,a música que chega de todos os lugares seguem comigo,companhia de viagem.E me concilio a outros e outras em passos de dança.
Tudo tem um sentido.E me olho com o excesso de bagagem.E me olho nas palavras que vou deixando pelo caminho.Escrevo para me entreter,escrevo porque duvido de mim e através da escrita me reconheço.
É como se ao me escrever eu criasse o espelho das minhas perplexidades.Escrever é o meu único caminho.O fio que me conduz é a tinta da caneta.Visível em azul ou preto luzidio como um rio que brilha em noite de lua cheia.
Escrever é o meu valor.
Criar é o exercício da verdadeira arte altruísta,pensar para aprender da vida a própria vida-o provisório sentido da vida.Uma marca que caminha e vai mudando de lugar,se estica.O sentido da vida é ser longe,alongar-se para se encontrar.Um elástico flexível.
Assim vou achando caminhos.
O eco do grito entre as montanhas.
O túnel claustrofóbico,o jeito infantil de cobria a cabeça para ficar segura e não ser descoberta.
O frio da passagem pelo túnel escuro.agua pinga em enchovia.Túnel húmido,abafado,condutor de medos.A travessia.Águas estagnadas.Percursos sombrios.
Assim vou deixando caminhos para trás.Sou só eu no dia seguinte.No momento seguinte.
Aproveito a sensação de não ter pressa alguma.Os momentos que não preciso dizer nada.As noites em que recordo toda a vida.
A bondade que encontro na infância,o gosto por um elogio sincero,o beijo de minha mãe antes de dormir,as leituras com meu pai.Tenho sorte,eles me fizeram acreditar.Acreditar que posso.
E posso.
Faz parte da minha natureza saborear a vida com esperança e o que não sei invento.
E posso.
Viajar tem gosto de para sempre.
Agora chove,chove torrencialmente,a água lava os caminhos.
E tem coisas que só Deus sabe.

43 comentários:

Vanilda Fiuza disse...

Cris! Através desta escrita vc se revela achando caminhos de um jeito infantil, cobrindo a cabeça para se sentir segura dos percursos sombrios da vida, deixando caminhos para trás sendo vc só vc no dia seguinte, mas lembrando do beijo materno e as leituras com seu pai fazendo acreditar que pode, tudo vc pode.
Querida Cris seus textos me faz entrar por um caminho de introspecção muito grande.
Muitas vezes me obrigando buscar lá no fundo de mim o que de melhor está esquecido e que merece estar bem presente!!Lindo, lindo.
Um grande abraço querida.

lino disse...

Uma bela viagem!
Abraço

Mirze Souza disse...

Maravilha, Cris!

As viagens que fiz, me fizeram ver o mundo em outros mundos. Nunca me livrei do caderno de anotações.

E ninguém também me perguntou se eu estava feliz.

Mas vale mais que mil enciclopédias!

Aproveite!

Beijos

Mirze

Jorge Sader Filho disse...

Viajar... Acredito, Cristina, que é o que fazemos, escrevendo e levando o leitor a outros mundos.
A viagem aos países é valida e gostosa. Apreciamos e guardamos o que foi bom, e trazemos para casa.
Esta sim, deve ser bem conhecida.
A interna, a que guarda nossa riqueza interior.

Esta sua foto toda em rosa está ótima. Não vejo bem a modelo, mas o sorriso é claro. Uma bela mulher.

Carinho,
Jorge

Estela disse...

Linda viagem! Sorriso estampado no rosto e com gosto.
O Cantinho do Lord Byron, especial, com seu cardápio singelo na ponta do dedo indicador, e vasos de flores na fachada lateral.
Linda, também, a viagem interior.
Bjs.

Andrea Liette disse...

Lindo e introspectivo texto, Cris,

Um abraço em sua alma caminhante.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Cris, gostei das suas fotos, do seu belo texto...Espectacular....
Um beijo pra você

Graça Pereira disse...

Adorei esta crónica. Não é preciso apenas ter caminhos...é preciso saber andar por eles como tu, minha amiga e usufruir tudo o que eles podem oferecer!
Deixo-te um beijo e desejo Boas Festas de Natal e Ano Novo.
Beijocas
Graça

Hercília Fernandes disse...

"Faz parte da minha natureza saborear a vida com esperança e o que não sei invento".

Lindo isso, Cristina. Ótimos caminhos leio/vejo/sinto em suas linhas. Agradeço a apreciação.

Beijos,
H.F.

Batom e poesias disse...

Mais que viajar, é preciso esses olhos de ver a beleza essencial, que nunca lhe passa desapercebida e que sempre, generosamente, partilha conosco.
Linda suas viajem em todos os sentidos.
Bjcas

cirandeira disse...

Bela crônica! Viajar é nuito bom.
Considero uma das melhores formas de aprendizado, de amadurecimento.
Somos colocados à prova permanentemente, temos que aprender a lidar com tantas diferenças. Acho uma experiência riquíssima, porque a viagem tem que se dá em primeiro lugar, consigo mesma! E consegues nos dizer isso muito bem em tua crônica.

Gostei de tua visita, hein, "sumida"!
Desejo-te Boas Festas, com boas entradas e ótimas saídas rrrss :))

Beijooo

nydia bonetti disse...

Tudo tem sentido. Tudo. E tantas vezes esquecemos de verdade tão óbvia. Nossa, você me fez lembrar um dos meus poemas, Cristina. Vou deixá-lo aqui, pra você:

Andei léguas pelo mesmo caminho
e não sabia que era tão pouco espaço
e que eram tantos passos a caminhar

Colhi algumas flores quando havia
e havia flores por todos os cantos
Eu que do meu canto não as via

Sina de menina
que sonhou que um dia
alto voaria. E não voou.

Sina de menina
que acordou do sonho,
que levou um susto, mas sobreviveu.

beijoos!

Livinha disse...

Psiu...
é preciso pisar os pés descalços em cada pedra do caminho, acaricia-la e senti-la, nivelando o que se encontra em desalinho...

Gosto dos teus comentários, prontos na magia de tua sensibilidade, bem como na poesia descerra tão bem...

Matando saudades...

Bjs

Livinha

Ira Buscacio disse...

Cris, minha amiga especialíssima!

Fiquei embiagada com seu texto. Viajar e ir. Navegar o conhecimento. Eu amo e já andei bastante por tantos caminhos, mas agora minhas viagens deixaram de ser físicas. Viajo nas tantas possibilidades da poesia.

Amo sua visita e vir aqui tb
Bj enorme e boas festas

Machado de Carlos disse...

Uma crônica muito bela. Uma leitura agradável que nos enche de prazer!

Obrigado pela sua visita ao meu cantinho. Realmente fiquei muito feliz com a minha amiga oculta, pois sei que ganhei mais uma amiga.

Beijos!...

MARCOS DHOTTA disse...

Você e suas palavras... seu Dito é Rito para mim. Um beijo

A.S. disse...

Um belo texto, pleno de fortes emoções!


Beijos!
AL

Eduardo Aleixo disse...

"Mergulho nas profundezas psicológicas,me obrigo a expressões em idiomas que desconheço.
O silêncio é companhia confortável onde se espraia a imaginação.
-O que existe no fundo dos rios e dos oceanos? "

Que lindo o texto teu sobre o tema do destino que te marca e sobre que gostas de escrever ( até parece que já tinha lido este teu texto ). Tema teu e nosso o do caminhar por dentro do universo poliédrico dos sem número de caminhos. Como te compreendo! Acho que já nos encontrámos: em que caminho do ceu e da terra? Em Orion? Cassiopeia? Em que ilha de que mar? Em que fundo de que lágrima? Em que pôça linda da vazante? Sim, é quase certo Se calhar um dia nos despedimos. E é por isso que gosto dos textos em que falas do eteno caminhar.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Lindas viagens, a interior e a exterior. Belo texto e fotos que dão saudade. Parabéns, Cris!


"Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir." (Procura-se um amigo, Vinicius de Moraes)

Feliz Natal! Beijos!!!
Renata

Anônimo disse...

VOCÊ NÃO SABE O QUANTO EU CAMINHEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...., cRIS O PERCURSO TEM QUE SER SEGUIDO SEM SER INTERPELADO POR NADA ...., COM AMOR , CRISTININHA .

Marcelo Novaes disse...

Cris,




A Estrada também é tua Casa.




Um beijo!

Marcelo Novaes disse...

Ah...

E muito obrigado pela árvore de Natal!




Feliz Natal pra vc e todos os seus queridos!


:)

sueli aduan disse...

Esse caminhar, outros caminhares, tantos outros...maravilha poder caminhar mesmo na tua escrita, nessa belíssima viagem que faz de uma maneira lindíssima, adoro!!!
obrigada, querida.

FELIZ NATAL.

Mari Amorim disse...

Desejo a você um Natal feliz e um Ano Novo,cheio de oportunidades.Obrigada por ter compartilhado,sua amizade comigo em 2010.
Boas energias,os 365 dias de 2011
Mari

Marcia disse...

Uma linda viagem...!
Gostei demais da sua visita e do presente, obrigada!
O Natal é o espírito de doce amizade que brilha todo o ano.
É bondade, é a esperança renascida novamente,
para paz, para entendimento, e para benevolência dos homens.
É o nascimento de Jesus!
Muitas flores, muitos sorrisos e muita paz no coração!
★ ┊    ★ ┊┊   ★ ┊  ★ ┊    
┊   ┊ ☆   ☆┊ ┊     ★┊  
  ★ ┊    ★ ┊ ★ ┊ ★ ┊
┊   ┊ ☆   ☆┊    ★┊ ☆ ☆ 
☆┊   ☆   ★ ┊    ★ ┊┊ ☆   
┊   ┊ ☆   ☆┊    ★┊★┊ ★
☆┊ ☆   ★ ┊    ★ ┊ ☆
Feliz Natal!! E um lindo 2011!!

Ricardo Miñana disse...

En estas fechas tan entrañables que la armonía, paz y felicidad entren en tu casa.
¡¡FELIZ NAVIDAD!!

Un abrazo.

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

lino disse...

Um Bom 2011.
Abraço

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Cris, votos de Feliz Ano Novo....
Cumprimentos

Antonio José Rodrigues disse...

Participei, Cristina, de sua odisséia e me senti um verdaeiro andarilho que coleciona cores e sabores ao longo de "O caminho". Parabéns. Beijos tropicais

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Vim aqui com o especial inttuito

de desejar-lhe

BOM ANO de 2011!

Beijoca

Vanuza Pantaleão disse...

Esse modo inigualável de falar da vida e dos seus caminhos. Esse é o modo e jeito da minha querida amiga Cristina Siqueira.
Adoro acompanhá-la nas suas viagens...adoro você!

Belas viagens em 2011, querida!
Vai daqui um grande beijo!!!

Folhetim Cultural disse...

Olá queria parabenizar você pelo blog e pedir que visita se o meu simples blog: informativofolhetimcultural.blogspot.com será uma honra ter a visita tua lá. Espero que goste...
Ass: Magno Oliveira
Folhetim Cultural

Mari Amorim disse...

Cris,
que beleza de fotos,com certeza um inesquecível momento!
Desejo que seus dias,sejam iluminados pela essência Divina,com Boas Energias Sempre!
Abraços
Mari

Phivos Nicolaides disse...

Seu blog é interessante e cheio de fotos bonitas. Se você tiver tempo, visite o meu blog de viagens, que está em Inglês e em grego Rio

As Tertúlias... disse...

Ando com umas saudades da amiga.... Há quanto tempo, hein???? Voce nao tem escrito mais?
Beijos, linda (e mande notícias!)
Ricardo

Vanuza Pantaleão disse...

Saudade de você, Cris! Moça linda de Tatuí!
Tantos caminhos, mas só um é o caminho do coração.

Lindo final de semana!!!Bjsss

Genny Xavier disse...

Cristina,
"Viajar tem gosto de para sempre"...belas palavras que explicam os impulsos dos nossos passos andarilhos.
As imagens de nossas viagens embalam as memórias que nos marcam, elas adoçam as palavras que se guardam em nós.
Beijos,
Genny

Kim disse...

Oi Cristina
Há muito que nossos caminhos não se cruzavam.
Quem diria chegar aqui com cheiro a sardinha e olhar sobre Byron!
Sei que estás em festa pá, com tua gente! Xico Buarque não diria melhor!
beijinho

Mari Amorim disse...

Ser mulher é ser especial,
amiga Cristina
Quero abraça-la,e agradecer o carinho e a amizade,neste dia tão especial,seja feliz!
Boas energias,paz,saúde,e luz,
beijos poéticos
Mari

NDORETTO disse...

Eu não saberia comentar um texto destes. Pela própria textura da realidade que ele apresenta. Sutil e poeticamente. E nem existe caminho de volta. Tragicamente doce.
Um beijo
Neusa

NDORETTO disse...

Ops, li o texto sem saber que você ia viajar mesmo na prática. Pensei que fosse viagem literária !!!Interpretei no sentido metafórico de idas e voltas.

*Desconsidere o " E nem existe caminho de volta. Tragicamente doce"!

Pedro Luso de Carvalho disse...

Cristina,

Pelas belas fotos, pode-se imaginar um pouco os caminhos por onde você andou. Imagino, pela sua aparência, que essa viagem foi proveitosa para o espírito e para o corpo. Talvez, também, como você diz, por ter encontrado, em alguns momentos, o silêncio, para colocar as coisas no lugar; a saudade, inclusive. ["O silêncio é companhia confortável onde se espraia a imaginação"].

Abraços,
Pedro.