quinta-feira, 30 de abril de 2009

Querida Querubim-Amantes

"Andábamos sin buscarnos pero sabiendo que andábanos para encontrarnos"
Cortázar,Rayuela
São quase dezenove horas,há três horas ela conta o tempo de espera por ele.A noite deve abençoar em sombras daqui há alguns minutos.Hora em que ele deverá chegar em sua casa.
Preparada para lhe servir encantos e prazeres, naquele quarto dos fundos que agora se assemelha a câmara de amor de um castelo,tal o requinte com que preparou o cenário e invocou as deusas para a celebração da oferta de seu destino.
O impulso cego que os tornou amantes na intensidade de um amor impossível.
Seus corações batem em melodia sublime.Certeza e tensão expressa em desejos que se completam em sensualidade erótica e êxtases incorpóreos.A chama vermelha da paixão acesa em pétalas pelo chão,a chama azul tremula de amor,dançando nas velas dos castiçais.A chama dupla da vida.
Se necessitam e se socorrem nas satisfeitas urgências que se oferecem.As ideias num mesmo clarão de pensamento.Unidos nesta vida pela conexão fugaz de amantes.Intensos e exclusivos um do outro.Assim ela acredita e sem ser assim seria uma história nascida morta.
Ele pertence a classe dos moralistas na aparência ,busca romance,essência.Sua rotina é monástica.Dorme antes da meia noite e acorda pontualmente ás cinco horas e trinta minutos,nem um minuto a mais e nem um minuto a menos.Seus dias são presos ao automático dos dias ,à fuga da falastrona mulher a incomodá-lo cobrando-lhe vigia.Os ardilosos pretextos de inocentes escapadas com o cão na coleira,os negócios sempre além do horário do expediente,as inúmeras reuniões,o encontro nos clubes.Entre eles o perene duelo cansativo e frouxo,os gritos impacientes tomando conta das salas,de todas as salas.O histerismo devorador de griffes e dinheiro,todo e muito dinheiro em notas grandes,cartões de crédito.As compras, um mix insano do exagero.
Toda esta situação lhe amargava a alma,toldava-lhe o semblante,fatigava-o.Ele precisava de um refúgio,um canto de paz.Quer se envolver com alguém que lhe atenue as dores,trazendo-lhe novo vigor e outras emoções.-Mas como sair por aí catando mulheres,experimentando aventuras? Não.Ele queria aquela mulher que o arrancasse deste sombrio estoque de vida mal vivida.
----------------------------------------------------------------------------------------------
A mim, o trajeto do desencanto perdendo em ilusões e histórias não correspondidas a ilusão do perene.
Não fiquei nem mais ,nem menos triste,fiquei leve pronta a tornar-me sua amante.
Nos queremos assim, sem nos transformarmos em coisas.Existia uma profundidade misteriosa entre nós,sendo ele homem de economicas palavras.Quieto e claro
A vida com ele dançava à minha frente enquanto ele me provia de cuidados e me encaminhava em abraços a seguir sozinha.Estruturava minha liberdade,oferecia condições ao meu voo e incentivo ao meu espírito escorregadio.
Impregnada nele,dele,minha alma sorria,falava,cantava,dançava e, sem medo eu me abria para tudo,o avião que me levava,as terras novas que descobria,as emoções serenas,o céu.
Compunha sinfonias dos versos do caminho, rumores da distancia,as diferenças que se abriam nas fronteiras dos lugares por onde me alongava em ofício de escrever.Escrevia nas madrugadas e pelas manhãs bem cedinho anunciava o dia com um poema novo que lia ao telefone.
Ele ouvia calado.
Às vezes eu interrompia a leitura e perguntava:-você está aí?,tal era o silêncio que me chegava de sua alma.
Nas noites em que nos encontrávamos tudo era dia e transpirava luz e brincadeira.Um giro estreito em bocas que se buscavam,avançavam querendo outros cantos de maciez.
Encontros leves,tudo se desfazia em imagens que tento reter sem alcançá-las,escapam ligeiras em ritos de prazer, ecos...
Um amor de bem estar,bem amar,bem viver.
Em casa ele ficava à vontade.Deitado na minha cama olhava para o teto do quarto,os braços dobrados sob a nuca,um pouco reclinado.Buscava o infinito.`As vezes eu o pegava olhando meus passos e aí displicentemente eu o provocava tirando aqui e largando ali ,ou lá, alguma peça de roupa.O cálculo do instinto vem com sabor e ritmo.Este ritual de despir-me deixáva-nos excitados .Em cena ,nós ,dois adolescentes desfrutando das emoções tardias,na força do impulso amoroso que nos arrancava da terra, e nos envolvia em amor.O tempo desaparecia na unidade dos nossos corpos,na fusão total das nossas almas,a morte.Sem esta morte a vida esta vida que vivemos não é vida.O amor é um regresso à morte...a boa morte onde tudo deixa de existir.Tocávamos o núcleo mais íntimo de nossas existências.
Nossos pedaços de noite exclusivamente dedicados ao amor.E tudo era bom.Quando ele se despedia e descia pelo escuro até a rua eu fechava os olhos para aprisionar toda aquela sensação de permanência.Ficava assim até a música parar de tocar.
Essa sou eu.Esse é ele.
E posso sentir que nesses momentos o mundo parava de girar .
Recolho-me ao eixo do silêncio e sou só um coração que bate.Sou uma prece.

18 comentários:

Batom e poesias disse...

Você me chamou então eu vim!

Para ler o que Cristina escreveu.

E me deparo então com a beleza triste do outro lado da história, que nunca é torpe como tanto se imagina...

História de espera...espera...e esperança...
Lindo!


Beijos
Rossana

cristinasiqueira disse...

Oi Rossana,

E que bom que voce veio.Escrever,e,do outro lado o escuro.Quando os escritos se oferecem aos leitores na vitrine dos blogues é muito bom ter este compartilhar,este saber-se lida.Não é uma questão de vaidade mas uma resposta de sensibilidade que atesta que não estamos falando ao vento,que existe comunhão.

Beijos,

Cris

HUGO disse...

muito beleza, obligado y suerte!!!!!!!

Estela disse...

Aquela (ou aquele) que um dia viveu esse papel, tão delicado e frágil, de "amante", com certeza irá se emocionar ao ler tudo isso que você descreve como uma "melodia sublime".
Lindo demais Cristina.

Gostei de te ver no Facirice, vou postar O Vestido de Adélia.
Bjs.

P.S. Sou sua fã de carteirinha.

©tossan disse...

Puxa vida Cristina quantos blogs, não, sei como vc dá conta de tudo.
Gostei! Nem sei se posso dizer isso
aqui, mas vi a foto do seu perfil e fiquei...fiquei ora! Beijo moça a gente se encontra. Beijo

lau siqueira disse...

Muito bom o teu blog, "prima". Bons textos! Mas... eu, eu sou uma pressa. beijos!

Léo disse...

Ei moça Cristina.

Lembrando a tí que eu estou interpretando a novela Querubim desde os primórdios da trama.

Convido você a dar uma espiada nos meus comentários em capítulos anteriores.

Beijos.

Cristiana Fonseca disse...

Querida Cristina,
estou totalmente rendida pelos encanto de Querida Querubim.
Bela escrita.
Beijos,
Cris

marcelo dalla disse...

E querida! Indiquei seu blog para o selo - http://marcelodalla.blogspot.com/2009/05/o-primeiro-selo-gente-nunca-esquece.html - dê uma olhada! bjo

victor Rocco disse...

hola cristina claro que puedes participar espero tus historias o relatos comicos al igual que de todos tus amigos, besos para ti.

Uma Aldeia Esquecida disse...

"Recolho-me ao eixo do silêncio e sou só um coração que bate.Sou uma prece."


Belo texto...adorei. Também me recolho no eixo do silêncio e sou eu mais eu


Bjs e obrigada pelo carinho

Dolores Marques

cuentosbrujos disse...

hola preciosa¡¡ e sun gran maestro cortazar
eres tan prolifica que cuesta seguirte en todos tus blog
saludos y besos

O Profeta disse...

As andorinhas do Mar chegaram
Com alegria tatuada nas penas refulgentes
Soltam chilreados estridentes
Dançam no azul, rodopiam contentes

A maresia adormeceu na areia
O mar transformou-se em espelho de água
Uma nuvem mirou-se nele
Verteu uma última gota de mágoa


Bom fim de semana


Doce beijo

Flavio Ferrari disse...

É tão bom amar sem concessões ...

Oliver Pickwick disse...

O doce sabor clandestino. O amor deveria depreender-se da alma e deixar, para sempre, que os corpos se entendessem.
Um beijo!

PAULO MIRANDA (A Folha) disse...

A prece que só de dois, pode se fazer um.

Anônimo disse...

bueno,muy bueno. Cá estoy a ti mirar.
La Habana ti manda saludos e muchos bejos.Continue escribindo siempre eu me encanto ...con tudo...

Léo Metallica disse...

É... essa história que mais assemelha-se a um capítulo específico de um livro ficou com um gosto nostálgico de que este amor já não preenche no presente a Querida Querubim. É o tipo de história esquecida no tempo onde só o sabor das lembranças reaviva momentos de ternura.

Onde será que foi parar tal amor perdido que balançou a Querida Querubim e lhe tirou um pouco da indepedência?

Direto do Rio. Tô chegando lá.
Beijos.