sábado, 1 de agosto de 2009

Querida Querubim-Cinza chumbo


Em mar cinza chumbo
fez-se o destino
rasgo negro nanquim
galho de forquilha
talho seco

Mais ali,rocha imensa e fria
o olho pulsa entre o céu e a terra
rasgo rente ao chão
areia de deserto
ínfimo grão

meu peito é leito
mar
ouro inverso



Gostaria de conversar um pouco.
Usar parte da vida,do céu,das aves para contar uma história.
Nós nunca mais seremos os mesmos.A fuga te raptou.
É uma pena.Amor quando dói dá sinal que esta vivo.
Me perdi no seu enigma.
Seu rosto de fragmentos.Sua história de evasivas.
Temos que conversar.Sem palavras.
A lua nova guarda um grande segredo.
As cortinas da sala,claras,vaporosas.
Vou até Plutão e na volta gostaria de encontrar uma estrela.
Gosto da ideia de experimentar coisas novas
Desfilar visões e desejos,uma ilusão e um sonho.
E as vezes gostaria de repetir o abrace-me como se me amasse.
-Como vai a vida?
Soaria falso.
-Como vai você?
Seu rosto severo revela parcimônia e vazio.
E me dispo da camisola francesa.
O modo como vivo a vida com retalhos de algodão.
Os olhos de laser que veem a vida atraves do que não foi visto.
Ouvidos que ouvem o que não foi dito.
-O que será que eu busco em um homem?
Peço companhia aos céus.
Alguns homens choram lágrimas sentidas.
Alguns choram por dentro.
Outros são frios metalizados.
E tem aquele da superfície que com certeza pensará:- estará ela nua por baixo da roupa?- estará vestindo roupa íntima sensual?
Não posso esconder sentimentos.
O martírio da dúvida?-como separar vidas entrelaçadas?
História que parece roteiro de filme
Obra de uma cabeça que não para.
Padeço de febre setena com acessos na sexta-feira.
Amizade é o valor que perdura.Amor é o que pulsa devagar e sempre.
Paixão é esta nausea com o estõmago vazio.O quero não quero.O posso não devo.È o pulo para atender o telefone...mudo.A contradição entre o que digo e o que admito.O limite frouxo para a falta de limite.Atração que vibra além de um fraco não.
Droga!
A briga é uma asneira que se cristaliza de forma dramática.O silêncio corta.
Palavras de aço afiado,rápidas em riste ,se atropelam para julgar.Dizem o que não viram.Se enredam na fertilidade da imaginação.Sabotam.Esquentam.
Privação do corpo.
Provação da alma.
Eu não tenho voce,espaço em branco...Ai escrevo poemas.
Ausência de cor.
O encontro do prazer suspenso.

Não dá para viver sem amor.
Ouço uma música triste.
É como se existisse fumaça
de papéis,músicas,beijos
que morrem em fogo ardente
é como se a vida se tornasse cinza
e a voz que não diz
é um eco estranho do passado
ligeireza da vida
roubando do tempo o tempo da dor.


Preciso de 5 minutos
para apanhar o destino
Preciso de 5 minutos para retocar a vida
e partir.







30 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Um ritmo intenso, misturando prosa com poesia e demonstrando (veladamente) uma alma conturbada.

Abraço, Cristina!

Adolfo Payés disse...

Me gustaron mucho tus versos..

Saludos fraternos
Un abrazo muy grande
Que pases un buen fin de semana

Estela disse...

Nossa! amiga, fiquei até sem fôlego. Muito intenso esse desabafo da Querida Querubin.
"Palavras em riste
Privação do corpo.
Provação da alma.
espaço em branco...poema cinza."
...e cinco minutos para colorir.

Bjs.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Cris, belas palavras...Espectacular....
Beijo

VANUZA PANTALEÃO disse...

Cris, querida!
Eu precisaria de muita mais de cinco minutos para mergulhar nesse rico oceano que compõe sua Alma.
Adorável mulher!
Uma semana de Luz, amiga!!!Bjsss

VANUZA PANTALEÃO disse...

Corrigindo:
"...muito..."
Muito, porque você significa demais para nós!!!Bjsss

Cultura Malcriada - disse...

Oi Cris!!
Lendo o seu post, fiquei pensando comigo: "não é interessante o universo pessoal de cada indivíduo!?" Muito bom!!!!

Até!!!!

Marcos Dhotta disse...

Caríssima!!! Adorei seu recadinho no Mural. Isso me faz crer que preciso lutar por minha razão. O motivo de meu afastamento temporário esta explicado no novo post. Você com sua forma carinhosa me mobilizou a dar satisfações pros amigos blogueiros...Estou muito triste com o que vem acontecendo, mas as providências estão sendo tomadas...Um beijo carinhoso. E obrigado pela chamada no mural.

Batom e poesias disse...

Querida Cristina.
Eu é que estava com saudades...

Esse seu texto-poema ou vice-versa é incrível.

Cada frase é uma mensagem independente e ao mesmo tempo completa um raciocínio maior, de uma mente com uma lucidez só suplantada pela sensibilidade.

Salve mulher!

beijo grande
Rossana

Bia Maia disse...

Como você é sensível!
Parabéns por tão belas palavras e escritas com tamanha maestria!

Uma linda terça-feira para vc!

Beijos com amor,

Biazinha

Osvaldo disse...

Oi, Cristina;

Você fez bem em me fazer descobrir seu maravilhosos blogs.

Estive lendo seu perfil e fiquei feliz de ver seus projetos e a defesa que você desenvolve para a promoção da cultura, porque um povo sem cultura é um povo inexistente.

Gostei imenso da sua maneira sóbria e inteligente de escrever poesia o que mostra a sua bem desenvolvida veia poética.

Claro que voltarei para comentar também nos outros seus blogs.

bjs, Cristina.
Osvaldo

Bonitas e bacanas disse...

Olá.
Que fofo seu comentário. Obrigada.
Benvinda.

Eu gosto muito de ler blogs como o seu. Tenho outro também que frequento bastante, da Rosemari. E agora conheci o seu. Gostei bastante deste texto, muito bem escrito e bom de ler.

Aliás, parece que o blog todo é assim, né? Parabéns.

Bjsss

Kim disse...

Olá Cristina!
Parabéns pelo teu tão elaborado blogue.
Já vi que temos muitos gostos comuns e por esta via eles se partilham.
Às vezes, as palavras acontecem em função dum momento que não volta mais. Cada segundo que passa traz-nos outras recordações, outros desabafos.
O tempo, que espere! Vive!
Gosto de querubins e arcanjos!
Voltarei!

tertulías disse...

Cristina, obrigado pelo seu coment´rio cheio de paz. Infelizmente minha última postagme causou coisas que eu nao queria... ave...

Lu Cavichioli disse...

Cris, tem novidade no Empório do Café.

bjka da Lu

Vanilda disse...

Olá Cris!
Me impressionam seus versos, seus sentidos sua alma.
Querida querubim, certamente , sou e continuarei sendo sua ardorosa fã.
Beijo encantado

cuentosbrujos disse...

Hola Guapa, corra muito bem nestes grande cartaz dos edifícios ..

EVELIZE SALGADO disse...

Sensibilidade profunda,
à flor da pele,
ransformada em luz,
raios saindo pelos poros...
Corpo, Alma
Mente, Espírito,
Toda Emoção.
Cris, saio daqui com o dia mais iluminado.

Obrigada pela partilha, pela visita carinhosa, pelo profundo entendimento e compreensão.
Grande beijo!!!!!!

Taninha Nascimento disse...

Gostei do blog!

bjs!

Barbara disse...

Acontece.
Acontece de a gente não saber nada.
Não é assim?

tertulías disse...

e agora voltei aqui para ler o conteúdo da tua postagem. da última vez só respondi ao que voce tinha me escrito... e isto nao é legal. Querida, quanta sensibilidade...

a briga é uma asneira que...

Peco companhia aos céus...

A amizade é o valor que perdura.

e por aí vai... Voce tem a capacidade de me emocionar. DEMAIS!

Obrigado querida amiga. Respeito voce e teu Blog imensamente!!!!!

Oscar disse...

Buenisimo blog!!!!!!
Tenemos mucho en comun!!!
te espero en mi blog!!!
Saudades
Oscar de Bs As

Taninha disse...

Oi, Cris!

Parabéns pelo belíssimo trabalho poético.

Me identifico...

Tocou-me.

Bjs,

Taninha

*** Cris *** disse...

Belo post, cheio de vida, de vontades;
Um abraço!

Clea Pinheiro disse...

Cris,
Seu modo de expressar é exuberante! dá pra sentir sua atenção e vivacidade em tudo que escreve.
Sua visita é uma alegria.
Abraços com muito carinho.

Lou Vilela disse...

Olá, Cristina!

Vim agradecer e retribuir a visita. Foi um prazer conhecer o espaço e uma parte de seu trabalho!

Um grande abraço,
Lou

Léo Metallica disse...

"È o pulo para atender o telefone...mudo."

É... ela é real mesmo. Esse pular para atender o TEL, é coisa de menina... Ela muda... de mulher para menina num barulhinho de telefone.

Eu penso que o texto de modo geral reflete uma preocupação aparente em torno de o tempo estar passando e as coisas boas que ficaram para trás não poderam ser vivenciadas novamente. É como que se estivesse uma preocupação de as boas coisas da vida se encerrassem. Eu penso diferente é claro.

Temos a nossa vida enquanto crianças, adolescente, adulto, maduro, e de coroa porque não? E ainda tem a vida de velhinho onde por incrível que pareça temos uma felicidade de termos tido uma impressionante história de vida e das nossas proles, a idéia de que participamos da vida.

Ohhhhhhhh Querida Querubim... Não quero ver-te desesperançosa com o tempo.

Você tem a chama... A chama que diz que em 5 minutos você recupera todo o explendor.

Direto do Rio. Tô chegandoooooooo
Beijos.

Marcelo Novaes disse...

Em mar cinza chumbo
fez-se o destino
rasgo negro nanquim
galho de forquilha
talho seco

Mais ali,rocha imensa e fria
o olho pulsa entre o céu e a terra
rasgo rente ao chão
areia de deserto
ínfimo grão

meu peito é leito
mar
ouro inverso




Belo poema.





A prosa é o desabafo-lamento do Eterno Desencontro. A idéia do amor romântico (e do suposto estrago de sua falta) parece, mesmo, ser particularmente hipnótica...








Beijos,










Marcelo.

UIFPW08 disse...

Eu preciso de cinco minutos para vê-lo triste e olhar para um sorriso em seu rosto longe da história. não são de ferro e eu sei que quando eu ver você chorar piangenre
Maurizio

♥..♥ Coração Valente ♥..♥ disse...

Cara jornalista,
Em muito indignou-me a sua entrevista com o sr. Rolando Grandino... pois hiprocrisia tem limites. Caso você não saiba , este tal senhor que se diz honesto e coisa e tal, não passa de um tremendo mal caráter que infelizmente além de abusar sexualmente de minha mãe, teve duas filhas com ela e se não bastasse nos abandonou na rua da amargura. Hj após exame de DNA eu e minha irmã temos em nossa certidão de nascimento o sobrenome deste hipócrita . Caso a digna jornalista deseje obter mais informações a este respeito, basta entar em contato comigo.
Meu nome é Raiza de Oliveira Grandino, o de minha irmã é Karina de Oliveira Grandino.
emails raizagrandino@hotmail.com e meu fone é 41 9199-5556.

Grata pela sua atenção.

Raiza Grandino.